Apesar de proibição, violentos protestos são registrados em Hong Kong

0
268

Milhares de pessoas desafiaram, neste domingo (15), a proibição da polícia de se manifestarem, participando de uma marcha não autorizada para comemorar o Dia Internacional da Democracia. O protesto terminou com dezenas de pessoas feridas. Uma nova noite de violência marcou o décimo-quinto fim de semana consecutivo de manifestações contra o governo.

Embora a polícia tenha proibido qualquer manifestação, dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas de Hong Kong nesse domingo. A marcha teve início em Causeway Bay, estendendo-se a outras zonas centrais da ilha.

À semelhança daquilo que tem acontecido nos últimos três meses, o protesto deu lugar a violentos confrontos entre a polícia e os manifestantes, que atiraram ‘cocktails molotov’ contra o edifício do governo.

Em resposta, as autoridades recorreram a canhões de água e a gás lacrimogêneo, bem como a jatos de tinta azul. O corante deixa marcas permanentes nos manifestantes, de modo a identificá-los e a prendê-los posteriormente.

Antes de recuar, alguns manifestantes montaram barricadas, acenderam fogueiras e vandalizaram estações de metrô. Imagens da televisão local mostraram manifestantes rasgando e queimando uma faixa comemorativa do próximo aniversário dos 70 anos de fundação da China comunista e também uma bandeira chinesa.

No total, 28 pessoas ficaram feridas, informaram representantes de hospitais. Dessas, 17 receberam alta e 11 permanecem internadas. Dois homens estão em estado grave.

Apoio de Londres – Algumas horas antes, milhares de pessoas caminharam para o consulado da Grã-Bretanha, pedindo mais apoio de Londres. No meio dos guarda-chuvas coloridos, símbolo do protesto de Hong Kong, ergueram-se bandeiras britânicas e ouviu-se o “God Save the Queen”.

Vários manifestantes pediram que os cidadãos de Hong Kong obtenham nacionalidade britânica ou de outro país da Comunidade das Nações. Londres não se pronunciou sobre o assunto. No entanto, cerca de 130 parlamentares britânicos assinaram esta semana uma carta aberta pedindo à Grã-Bretanha e aos países da Comunidade das Nações (Commonwealth) que dessem as boas-vindas aos cidadãos de Hong Kong que desejam emigrar.

(Agência Brasil, com informação da RTP, emissora pública de televisão de Portugal)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui