Câmara eleva em mais de 100% ITBI do Minha Casa Minha Vida ao mudar Código Tributário

0
540

AQUILES EMIR

Em dezembro de 2017, a Câmara Municipal de São Luís aprovou no último dia de atividades legislativas do ano o projeto de lei do Poder Executivo com nova redação do Código Tributário de São Luís em que foram mudadas várias bases de cálculos para cobrança de impostos e taxas. O ponto mais polêmico diz respeito ao critério para fixação do Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), que em algumas situações foi elevado em mais de 100%, com uma elevação substancial para os imóveis do Minha Casa Minha Vida.

De acordo com o Código anterior, a alíquota do imposto era de 2%, conforme o Artigo 211, mas no parágrafo único foi fixado em 0,5% (meio por cento) sobre o valor de financiamento realizado através do Sistema Financeiro de Habitação, incidindo os 2% sobre o restante, isto é, o valor pago como entrada.

Com a nova redação do CTM, o Artigo 378 diz que “o imposto será calculado aplicando-se sobre o valor estabelecido como base de cálculo a alíquota de 2% (dois por cento)”, ou seja, praticamente igual à redação anterior, contudo no parágrafo único deste artigo ficou estabelecido para que nas vendas financiadas pelo SFH o 0,5% (meio por cento) aplica-se somente até o valor de R$ 50 mil, incidindo os 2% sobre o valor restante, tanto do financiamento quanto da entrada.

Imóveis mais caros tiveram, proporcionalmente, um reajuste menor do ITBI

Cálculo – Um empresário do ramo imobiliário fez os cálculos a pedido de Maranhão Hoje a fim de mostrar quanto as novas regras pesam para os beneficiários do Minha Casa Minha Vida.

Pegando como exemplo um imóvel avaliado em R$ 160 mil, adquirido com entrada de R$ 20 mil, o ITBI ficava em R$ 1.100,00, resultado de 0,5% sobre o valor financiado (R$ 140 mil), que daria R$ 700, mais R$ 400, que seriam dos 2% sobre o valor da entrada.

Pelas novas regras, este mesmo imóvel de R$ 160 mil passa a ter um ITBI de R$ 2.450, pois seriam 0,5% sobre o valor máximo tributável com esta alíquota (R$ 50 mil) mais R$ 1.800, que seriam os 2% sobre o restante financiado mais R$ 400, dos 2% sobre o valor da entrada.

Um cálculo sobre um imóvel de R$ 1 milhão, obedecendo-se as mesmas regras, mostra que pelas regras anterior, o ITBI seria de R$ 12,5 mil, enquanto pelas atuais, R$ 19,250 mil, ou seja, um aumento de 54%, enquanto para o comprador do Minha Casa Minha Vida o aumento seria de 126,7%.

O presidente da Câmara, Osmar Filho (PDT), confrontado com esses números reconhece o erro do parlamento e disse que se a Casa for provocada poderá convocar a Comissão de Assuntos Econômicos para reexaminar o texto aprovado, já que afeta, desproporcionalmente, os mais pobres.

Segundo um empresário da área de construção, os adquirentes dos imóveis não sentem o peso do imposto porque na maioria dos casos quem paga o imposto do Minha Casa Minha Vida é a construtora, sendo esse valor diluído nas mensalidades. Para ele, as construtoras estão sendo penalizadas por estarem desembolsando uma soma considerável para entregarem seus imóveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui