Campanha de prevenção ao suicídio é apresentada à imprensa pelo Ministério Público

0
404

Na manhã desta sexta-feira (30), foi apresentada a profissionais de imprensa, no Complexo de Comunicação da Assembleia Legislativa, a Campanha Rede do Bem: estamos aqui para ajudar, de prevenção da automutilação e do suicídio. A iniciativa do Ministério Público do Maranhão conta com parceria do Fórum Estadual de Prevenção da Automutilação e do Suicídio.

A deputada Daniela Tema ressaltou a importância da discussão correta de assuntos como depressão, automutilação e suicídio. A deputada afirmou que a Assembleia Legislativa abraçou a campanha e parabenizou o deputado Fábio Macedo, autor do projeto que resultou na lei que estabeleceu o Dia Estadual de Combate à Depressão no Maranhão.

O procurador-geral de justiça, Luiz Gonzaga Martins Coelho, destacou que o projeto não é do Ministério Público mas resultado da união de diversas instituições. Para Luiz Gonzaga Coelho, o tema é delicado e deve ser discutido em uma união de forças de diversas áreas para que alcance os melhores resultados. O procurador destacou, ainda, a importância do trabalho de prevenção junto às famílias e escolas.

CRISTIANE LAGO APRESENTAÇÃO

Campanha – A promotora de justiça Cristiane Maia Lago (foto), coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CAOp-DH), falou sobre a programação de lançamento do evento, que acontece no próximo dia 10, com atividades na Praça Nauro Machado, Casa de Cultura Huguenote Daniel de La Touche e Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, todos no Centro de São Luís.

Entre as atividades previstas estão cinco rodas de conversa, atividades culturais, espaços voltados para livrarias e academias de letras, doação de mudas de plantas, entre outras. A programação terá início às 8h e se estende por todo o dia, sendo encerrada às 17h.

Cristiane Lago também apresentou algumas orientações à imprensa sobre a melhor forma de noticiar casos de suicídio. Entre os cuidados a serem tomados estão o trabalho sempre próximo das autoridades de saúde, termos que não devem ser utilizados, a não publicação de fotos ou cartas suicidas, não dar detalhes dos métodos utilizados e que se evitem estereótipos culturais ou religiosos.

A promotora de justiça também ressaltou que a imprensa pode exercer um papel proativo na prevenção ao suicídio. Nos casos noticiados, os meios de comunicação devem divulgar, junto à notícia, os serviços de saúde mental, com endereços e contatos, alertar para os sinais de comportamentos suicidas e demonstrar empatia aos sobreviventes.

O psiquiatra Ruy Palhano, integrante do Fórum Estadual de Prevenção da Automutilação e do Suicídio, lembrou que o suicídio era um assunto sobre o qual não se podia falar. Para o psiquiatra, é preciso que a questão seja discutida de forma responsável e institucional. Segundo ele, essa discussão é necessária para que o problema seja prevenido e se possa preparar a sociedade para se engajar na causa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui