CNI critica fusão do Ministério de Indústria e Comércio com Fazenda

0
95

Confederação Nacional da Indústria (CNI) manifestou nesta terça-feira (30) que é contrária à extinção do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e sua anunciada fusão com os Ministérios da Fazenda e do Planejamento.

“Tendo em vista a importância do setor industrial para o Brasil, que é responsável por 21% do PIB nacional e pelo recolhimento de 32% dos impostos federais, precisamos de um ministério com um papel específico, que não seja atrelado à Fazenda, mais preocupada em arrecadar impostos e administrar as contas públicas”, justifica o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, acrescentando que indústria gera cerca de 10 milhões de empregos no país e é responsável por 51% das exportações nacionais. Além disso, acrescenta, a excessiva concentração de funções em um único ministério reduziria a atenção sobre temas que são cruciais para a indústria, que ficariam diluídos em meio aos incêndios que cotidianamente desafiam a gestão macroeconômica.

Para Robson Andrade, o próximo governo tem o desafio incontornável de recolocar o Brasil no caminho do desenvolvimento econômico e social. Para isso, segundo ele, o país precisa ter uma indústria forte. Daí, ser imprescindível que o país tenha um ministério independente para elaborar, executar e coordenar as políticas públicas para o setor industrial e monitorar seus impactos. “Nenhuma grande economia do mundo abre mão de ter um ministério responsável pela indústria e pelo comércio exterior forte e atuante”, afirma.

O presidente da CNI destaca ainda que, desde a crise de 2008 e o impacto da Indústria 4.0, aumentou o número de países com ministérios específicos e estratégias industriais. A Inglaterra, por exemplo, voltou a incluir um dos seus órgãos estatais voltados para temas empresariais — seu nome é Departamento para os Negócios, Energia e Estratégia Industrial. Os Estados Unidos, que são tidos como referência de liberalismo econômico, empreendem uma política industrial ampla e consistente, com um Departamento de Comércio que foi reforçado pelo governo Donald Trump para, justamente, cumprir essa função.

“A eventual perda de status do MDIC colocaria o Brasil, portanto, na contramão dessa tendência e reduziria a nossa capacidade em negociações internacionais”, ressalta Robson Andrade.

Reação – O comunicado foi feito depois de uma reunião na casa do empresário Paulo Marinho, no Rio de Janeiro. Na ocasião, ao falar com jornalistas, o provável ministro afirmou que o novo governo irá “salvar a indústria brasileira”.  “Está havendo uma desindustrialização há mais de 30 anos. Nós vamos salvar a indústria brasileira, apesar dos industriais brasileiros”, afirmou em relação a resistência do setor.

A ideia vinha sendo defendido por Bolsonaro durante a campanha, mas, após receber visitas de empresários em 25 de outubro, o militar havia recuado da ideia. “Recebemos a visita de homens da indústria do Brasil falando dos problemas e de como eu poderia resolver as questões deles. Falaram que gostariam que o Ministério da Indústria e do Comércio continuasse existindo. Vamos atendê-los. Se esse é o interesse deles, para o bem do Brasil, vamos atender. Vamos manter o ministério da Indústria e do Comércio sem problema nenhum”, disse Bolsonaro à época.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui