Donos de alambique são capacitados sobre fabricação de aguardente

0
387

O Sindicato das Indústrias de Bebidas, Refrigerantes, Água Mineral e Aguardente do Estado do Maranhão (Sindibebidas), numa parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Secretaria Estadual da Agricultura (Sagrima), realiza, de 18 a 24 deste mês, o curso Tecnologia da Cachaça de Alambique e Boas Práticas de Fabricação. As aulas serão ministradas nas cidade de Passagem Franca e de Pastos Bons.

A meta é reunir produtores, alambiqueiros, proprietários e futuros proprietários de alambiques, engarrafadora ou envasadora de cachaça, responsáveis técnicos, apreciadores de cachaça, profissionais e estudantes de agronegócio que estejam alinhados com as ações relacionadas à qualidade, segurança e certificação da aguardente de alambique maranhense e tem o objetivo de ensinar e orientar na teoria e na prática todas as etapas do processo produtivo da cachaça de alambique, absorvendo um aprimoramento aos conhecimentos da tecnologia com qualidade, utilizando as técnicas de boas práticas de fabricação de forma clara e objetiva.

A ação conta com apoio das Prefeituras Municipais de Passagem Franca e de Pastos Bons, Ministério da Agricultura (Mapa), Paladar Alimentos, D&R Alambiques (MG), Acqua Mineira (MG), Cachaça Reserva do Zito, sendo uma ação que faz parte do projeto de Cachaça Artesanal e Tiquira do Maranhão (Cartima).

O curso tem carga horária de 24 horas e abordará desde a colheita da matéria prima, a cana-de-açúcar, potabilidade da água, etapas de fabricação (moagem, decantação, preparo do caldo, fermentação, produção, armazenamento, padronização, engarrafamento), além de boas práticas ambientais e de fabricação.

Crescimento – A participação da cachaça artesanal vem crescendo no ranking dos produtos que se destacam no cenário do agronegócio maranhense e despertando a atenção do mercado nacional e internacional, mas não como commodity, a exemplo dos grãos de soja e milho e sim como bebida gourmet.

O segmento vem passando por uma mudança no perfil do consumidor, que está cada vez mais sofisticado, seletivo e exigente quanto à qualidade, sendo reconhecido com premiações importantes dentro e fora do país e a cachaça maranhense vem atendendo às exigências dos mais requintados paladares, onde vem participando e se destacando nos maiores eventos, como no caso da Expocachaça (MG) onde já existem bebidas maranhenses entre as melhores e premiadas onde concorreram com grandes marcas do mercado.

Cartima – Lançado em 2017, o projeto Cartima reuni parceiros de diferentes instituições, públicas e privadas, como órgãos de governo, entidades financeiras, instituições de fomento à pesquisa, inovação e mercado e empresas de agronegócios, para aperfeiçoar os métodos de produção, a formação de mão de obra, a obtenção de financiamento, a realização de pesquisas,   regulamentos para o setor e desenvolvimento do mercado consumidor. Uma das metas do projeto é  desenvolver a cadeia produtiva da cachaça e da tiquira, inserindo suas marcas no cenário nacional.

O projeto possui quatro eixos de atuação: Agricultura e Meio Ambiente, Indústria e Infraestrutura, Financeiro e Gestão e Mercado. A previsão é que a iniciativa se estenda até janeiro de 2020.

Colinas, Pastos Bons, Mirador, São Domingos do Azeitão, São João dos Patos, Sucupira do Norte e Sucupira do Riachão são os municípios que mais se destacam na produção de cachaça, de saem cerca de 6 milhões de litros. Já a Tiquira (destilada da mandioca) tem uma fábrica na região de Santo Amaro.

Com Por meio do Cartima, a produção de bebidas destiladas no Maranhão passou de quatro para sete marcas registradas, e com mais unidades produtivas e empreendedores buscando participar do projeto com o propósito de registras e formalizar a sua produção.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui