Soltura de Lula não elimina crimes que cometeu, lembra João Doria

0
195

Em nota distribuída nesta sexta-feira (08), o PSDB, apesar de concordar que decisão judicial é para ser respeitada, entende que a soltura do ex-presidente Lula, como consequência da decisão do Supremo de proibir prisão em segunda instância, pode alimentar o clima de intolerância na sociedade brasileira. Antes, o governador João Doria, que deve concorrer à Presidência pela legenda, disse que a soltura de Lula não elimina os crimes que cometeu.

Quem também se pronunciou sobre esses “dias difíceis” foi o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, para quem “é hora de usar o trombone, reafirmar convicções democráticas e manter o equilíbrio”.

João Doria
A saída temporária de Lula da cadeia não anula os crimes que cometeu. Meu apoio a uma mudança constitucional para condenados em segunda instância serem presos e cumprirem integralmente suas penas. O Brasil quer justiça.
Fernando Henrique Cardoso
Dias difíceis. Quando os que mandam ou lhes são próximos perdem as formalidades e quando a polarização leva à agressão, mais se precisa de bom senso. É hora de usar o trombone, reafirmar convicções democráticas e manter o equilíbrio, mesmo que isso desagrade os poderosos.

NOTA SOBRE A SOLTURA DO EX-PRESIDENTE LULA

Nos últimos meses os chamados partidos de esquerda ficaram na “cômoda” posição de não participar do esforço nacional de recuperação das dificuldades criadas ao longo de seus governos para ficarem na confortável posição do grito “Lula Livre”.

Os apoiadores de Lula, “inelegível pela lei da ficha suja”, se recusaram a dialogar, votaram contra as reformas que adequaram o Estado aos novos tempos e sequer propuseram saídas para a crise em que jogaram o Brasil.

Lula, Dilma Rousseff – sucessora escolhida por ele – e o PT são os responsáveis diretos pela maior recessão de nossa história, pelo déficit fiscal explosivo, pela alta taxa do desemprego, e pela subsequente estagnação da economia. Propiciaram também a volta do crescimento da pobreza registrado a partir de 2015, segundo pesquisa do IBGE divulgada esta semana, após uma longa série de avanços que remontava aos anos 90.

Decisão judicial se respeita. A soltura do ex-presidente Lula, entretanto, pode alimentar ainda mais um clima de intolerância na sociedade brasileira, no qual polos extremos preferem se hostilizar ao invés de dialogar.

Com Lula solto, nova palavra de ordem não basta mais. Será preciso apresentação de soluções para a crise que eles próprios criaram. Retórica vazia não gera emprego nem reduz miséria ou desigualdade.

Cabe a todos os atores políticos serem responsáveis e serenos neste momento de nervos à flor da pele.

Bruno Araújo, presidente nacional do PSDB 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui