Na despedida do Senado, Edison Lobão diz que não abandonará política

0
388

Concluindo seu quarto mandato no Senado Federal, o senador Edison Lobão (MDB-MA) despediu-se da Casa em discurso no Plenário nesta terça-feira (18), avisando que não abandonará a vida política. “A política é a arte de promover o bem comum e fora dela não há salvação, pois sem ela não há democracia. Vou permanecer na política, como guardião incansável dos interesses do povo brasileiro, em especial do povo maranhense, que me deu inúmeras oportunidades de trabalhar para o meu estado e pelo meu país”, afirmou.

Lobão fez um breve apanhado de sua longa carreira, primeiro como jornalista, depois como deputado federal por dois mandatos, senador, governador do Maranhão e ministro de Minas e Energia sob as presidências de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. “Quero agradecer especialmente ao povo do Maranhão, a quem tenho a honra de representar e é a razão de minha luta”, acrescentou.

O senador registrou ter sido o autor da emenda constitucional que restabeleceu as eleições diretas para governadores e senadores em 1979. Disse também que seu governo à frente do estado do Maranhão foi voltado para a modernização da máquina pública e consolidação da infraestrutura de transportes e comunicações. Durante seu governo, acrescentou, buscou ampliar e melhorar as redes estaduais de educação, saúde e segurança pública.

“Hoje, com quatro mandatos completos, sou o decano desta Casa. Aqui, fui líder, presidente do Senado e presidente de quase todas as suas comissões técnicas. Lembro que, ao presidir, pela primeira vez, a Comissão de Constituição e Justiça, votamos a reforma do Poder Judiciário. Na oportunidade, criamos os conselhos do Ministério Público e o da Magistratura. Criamos também a súmula vinculante, com a qual foi possível desobstruir, pelo menos em parte, a pauta do Judiciário”, recordou.

Lobão agradeceu aos servidores do Senado e de seu gabinete e desejou sucesso aos novos senadores eleitos e ao futuro presidente Jair Bolsonaro.

(Agência Senado)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui