Empresários pedem revisão do zoneamento ecológico para não prejudicar setor produtivo

0
367

AQUILES EMIR

Um grupo de empresários e assessores das federações das Indústrias (Fiema) e da Agricultura (Faema) e do Governo do Estado está trabalhando no aperfeiçoamento da redação do projeto do Zoneamento Econômico e Ecológico do Estado (ZEEMA), entregue pelo governador Flávio Dino (PCdoB) na Assembleia Legislativa, dia 02 de fevereiro. Segundo um membro da equipe pelo lado da iniciativa privada, o objetivo é evitar que algumas terminologias e indefinições venham, no futuro, ameaçar o setor produtivo, principalmente agropecuária e agroindústria

A primeira reunião para debater o tema foi realizada quarta-feira (04) com o secretário de Programa Estratégicos, Luis Fernando Silva, que, a princípio, concordou com todos os argumentos levantados pelas entidades empresariais e repassou o caso à equipe técnica encarregada de elaborar o projeto, com mapeamento de áreas de preservação e redação final.

No primeiro encontro com esse técnicos houve algumas incompreensões por parte dos membros do governo, que temem por prejuízos a comunidades indígenas, quilombolas, extrativistas e outras com a mudança do texto, mas a maioria concordou com a necessidade do aperfeiçoamento.

De acordo como um empresário que participou das reuniões, no geral, o texto está bom, atendendo as expectativas das classes produtoras, contudo se não houver correções haverá sérios problemas. Ele cita como exemplo, a criação da zona de amortecimento dos territórios indígenas, o que não está previsto em lei, e sua criação pode ameaçar até cidades como é o caso de Santa Inês, que entraria como área pertencente à reserva guajajara do Pindaré, já que o amortecimento iria de Bom Jardim a Estaca Zero, no entrocamento das BRs 316 e 222.

Ainda segundo esse empresário, é preciso consultar o Incra sobre territórios quilombolas, pois estes não passam de 300 como estabelecido no projeto, já que a certidão definitiva é dada por este órgão e não pela Fundação Palmares. Na mesma condição estariam terras indígenas, reservas ambientais etc.

Ainda não ficou definido como a questão será resolvida: se o projeto será devolvido para aperfeiçoamento ou se essas mudanças serão feitas nas comissões técnicas antes de ser encaminhado ao plenário.

EP4ezWKVUAEtbjk
Flávio Dino fez entrega do projeto aos deputados no mês de fevereiro

Zoneamento – Quando apresentou o projeto na AL, Flávio Dino disse que sua iniciativa atende a um pleito de décadas do setor empresarial e da sociedade civil como um todo. A medida, segundo o governador, visa a ampliar o desenvolvimento sustentável e a proteção ambiental, além de destravar empreendimentos.

“É um instrumento moderno de conjugação de desenvolvimento com proteção ambiental, além de resolver incertezas e inseguranças jurídicas, e com isso destravar investimentos privados”, explicou o governador.

Ele lembrou que o inédito Zoneamento Ecológico e Econômico está previsto em lei desde 1992, mas só agora a lei tem a oportunidade de sair do papel.

(Com informações da Agência AL e foto Pinterest)

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação