Estudo mostra quais são as versões do Prisma que menos se desvalorizam

0
306

Desde o lançamento da sua primeira versão em 2006, o Prisma, da americana Chevrolet, é um sedã compacto que caiu no gosto dos brasileiros. Nascido como o sedã do Celta, ele tinha a proposta de ser o modelo mais acessível da marca com essa carroceria. Totalmente desenvolvido no Brasil, o carro passou a ser derivado do Onix em sua segunda geração, apresentada em 2013. Curiosamente, ficou ainda mais popular com um preço mais alto…

Pensando em ajudar os consumidores na compra mais consciente, a KBB Brasil levantou as taxas de desvalorização das versões do Prisma no mercado, mostrando que, quando se trata da aquisição de um automóvel, o brasileiro realmente leva em consideração o nível de equipamentos. A versão que menos desvaloriza nos dois primeiros anos de uso é a LTZ 1.4 8V FLEX com redução de 8,82% de valor no segundo ano de uso, consagrando a versão de topo como a que menos sofre com os anos. Mesmo se considerar o primeiro ano de uso, a taxa o mantém no posto, com 3,65% de queda em seu valor inicial.

Outra prova de que o nível de itens de série afeta a escolha é o outro extremo da desvalorização, que está no Prisma Joy. Além de ter a aparência antiga do carro, anterior à reestilização, ele é o mais barato da linha. E mau negócio quando se trata de preservar o valor de aquisição: o do Joy cai 18,52% após dois anos de uso. Ou mais do que o dobro que o LTZ apresenta de perdas.

Para entender melhor a comparação de desvalorização entre as três versões oferecidas pela marca, veja como fica a tabela de preços da menos à mais desvalorizada:

VEÍCULO/VERSÃO 0KM 2018 2017 1º ano de uso 2º ano de uso
Prisma LTZ 1.4 8V FLEX R$ 58.148 R$ 56.026 R$ 53.020 -3,65% -8,82%
Prisma LT 1.4 8V FLEX R$ 54.385 R$ 49.978 R$ 48.772 -8,10% -10,32%
Prisma JOY 1.0 8V FLEX R$ 45.245 R$ 40.696 R$ 36.865 -10,05% -18,52%

 

A KBB utiliza tecnologias de análise de dados e Big Data para produzir os levantamentos de precificação e desvalorização de veículos novos e usados. Os valores aqui presentes são gerados por meio de um complexo algoritmo, que analisa diversos fatores de comportamento do mercado automotivo brasileiro, além de seguir uma rígida análise de especialistas. A empresa atua com o propósito de conscientizar os consumidores na compra e venda de carros a partir da determinação de preços justos.

Sobre a Kelley Blue Book – Criada em 1926 nos Estados Unidos, a Kelley Blue Book é referência em preços de carros novos e usados tanto para quem compra quando para quem vende. Ela usa como base de cálculo para o Preço KBB valores de mercado praticados regionalmente. Também é a única a produzir uma tabela que leva em conta fatores como quilometragem, cor, nível de equipamentos e estado de conservação do veículo. E que permite que ninguém perca dinheiro na negociação: seja de um novo ou de um usado. Também oferece conteúdo editorial abrangente em texto e vídeo, com dicas e avaliações de especialistas, ferramentas para comparação de carros e opinião do dono.

Referência em precificação no mercado automotivo norte-americano, a KBB também tem operação em Portugal. Oficialmente no Brasil desde outubro de 2017, a Kelley Blue Book é baseada em Irvine, Califórnia, e faz parte da Cox Automotive.

Sobre Cox Automotive – A Cox Automotive, Inc. está transformando a forma como o mundo compra e vende veículos por meio de soluções para consumidores, fabricantes e revendedores em todas as fases da experiência automotiva. A empresa global tem cerca de 34.000 membros na equipe, em mais de 200 escritórios em todo o mundo, que atendem mais de 40 mil clientes.

A Cox Automotive é uma subsidiária da Cox Enterprises Inc., uma companhia com sede em Atlanta cujas receitas ultrapassam US$ 20 bilhões. Para mais informações sobre a Cox Automotive, visite www.coxautoinc.com.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui