Fiema e Sagrima firmam acordo para aumentar produção de arroz

0
549

O presidente do Sindicato das Indústrias de Arroz do Estado do Maranhão  (Sindarroz), Benedito Bezerra Mendes e o presidente do Sindicato das Indústrias de Leite e Derivados do Estado do Maranhão (Sindleite), Alexandre Rodrigues Ataíde, ambos vice-presidentes da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), participaram na tarde da última quinta-feira (30) de uma reunião de trabalho com o secretário de Estado da Agricultura e Pecuária, Márcio José Honaiser.

Na ocasião, os vice-presidentes da Fiema, parabenizaram o secretário Honaiser pelos novos projetos apresentados pela pasta, como o recém-criado Plano Agrícola e Pecuário, mas também fizeram algumas reivindicações que estão emperrando o desenvolvimento da indústria do arroz e do leite no Estado.

Mendes apresentou um relatório que aponta as dificuldades da indústria de arroz em relação ao transporte terrestre de cargas, principalmente nas rodovias federais (BR-222, BR-135), nos trechos entre Entroncamento até Vargem Grande e Miranda-Santa Inês-Buriticupu, além da carga tributária e licenciamento ambiental para a produção de arroz.

“Essa parceria é importante para o desenvolvimento. Nós somos cientes que o Estado não tem competência sobre as BR´s, mas precisamos somar forças junto ao Governo Federal para garantir o escoamento da produção. Hoje 90% das nossas produções de grãos são deslocadas via terrestre e as perdas são enormes. O licenciamento ambiental, a assistência técnica e a questão tributária são outros temas que também precisam de ajustes”, destacou Mendes, que elogiou o posicionamento da Sagrima em relação ao Macro Macrozoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Maranhão e o Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Maranhão.

As reivindicações também são parecidas para o setor de produção de leite, afirmou o presidente do Sindicato das Indústrias de Leite e Derivados, Alexandre Ataíde. “Nosso entendimento é que as intenções do governo são muito boas, com o dialogo fluindo de forma natural, as reivindicações do setor também são parecidas, como a questão tributária. O setor está muito otimista com esse novo momento”, destacou Ataíde.

“Vamos tentar resolver esse problema do ZEE e do macro ZEE, rever as tributações ainda esse ano e agilizar os licenciamentos ambientais, para incentivarmos e desenvolvermos a cadeia produtiva do setor agrícola e pecuário”, enfatizou o secretário Honaiser.

A reunião contou ainda com a presença do assessor de planejamento e ações estratégicas da Sagrima, Messias Nicodemus da Silva, do superintendente de apoio ao desenvolvimento agropecuário, Antônio Jorge Dino e do relações institucionais da FIEMA , Roberto  Bastos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui