Garoto é violentado sexualmente por “internos” de maior idade dentro de unidade da Funac

0
598

AQUILES EMIR

A A Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), vinculada à Secretaria de  Estado de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), abriu investigação para apurar crimes de abusos sexuais que vinham sendo praticados dentro da unidade socioeducativa do bairro do Vinhais, em São Luís. O caso foi denunciado no plantão central da Rua das Cajazeiras, na noite desta quarta-feira (08), e já foi encaminhado para a Delegacia do Adolescente Infrator (DAI).

O mais intrigante na denúncia é que os crimes foram praticados por dois internos que haviam atingido a maior idade, ambos já encaminhados para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, depois de terem sido autuados em flagrante quando abusavam de um dos menores.

De acordo com a denúncia, levantada em primeira mão pelo jornalista Domingos Ribeiro, da Mirante AM, há mais de um mês, Davi Viana e José Leandro dos Santos, o Tartaruga, vinham abusando sexualmente de um garoto, cuja idade não foi revelada, mas o caso vinha sendo mantido em sigilo porque a vítima, por constrangimento e temor de um atentado ainda mais violento por parte de seus agressores, nunca denunciou o caso.

Na noite de quarta-feira, quando conduziam o menor para o banheiro para mais uma sessão de abuso sexual, os dois maiores foram indagados por outro interno sobre o que pretendiam fazer com aquele menino, e estes então o dominaram também e o levaram ao banheiro, onde provavelmente também seria estuprado para ficar em silêncio, mas enquanto os tarados abusavam do outro, o denunciante conseguiu se livrar da mordaça e pediu socorro, sendo atendido por monitores da unidade.

Davi e José Leandro foram conduzidos ao plantão central, onde, após constatação de que têm idades entre 18 e 19 anos, foram autuados em flagrante e encaminhados para Pedrinhas, onde aguardarão julgamento.

Um dos maiores internos da Funac é envolvido na morte do delegado da Polícia Federal Davi Farias de Aragão, de 36 anos, ocorrida em maio do ano passado, quando na companhia de outros comparsas invadiu a casa do policial no bairro o Araçagi (São José de Ribamar), na área metropolitana de São Luís. À época, ele estava prestes a completar 18 anos, por isto foi levado a uma unidade socioeducativa.

Além de responder pela violência contra seus internos, a Funac terá de explicar como duas pessoas continuaram na condição de internos após terem atingido a maior idade. A instituição expediu nota em que anuncia as medidas que estão sendo tomadas:

“A Fundação da Criança e do Adolescente (Funac) informa que registrou uma situação de violência sexual, em uma das unidades socioeducativas, na quarta-feira (08).

Os procedimentos previstos em portaria, que trata sobre o assunto, estão sendo realizados, inclusive atendimento prioritário a vítima e seus familiares. O órgão determinou a abertura de procedimento administrativo para apurar os fatos.

Quanto aos adolescentes envolvidos, os dois que praticaram o ato foram transferidos para triagem do sistema penitenciário, por já possuírem a maior idade.”

(Com imagem da TV Mirante)

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui