Governo brasileiro condena atentado desta terça-feira na Líbia

0
241
People gather at the site of twin car bombs in Benghazi, Libya, January 23, 2018. Picture taken January 23, 2018. REUTERS/Stringer

Em nota à imprensa, divulgada nesta quarta-feira (26), o governo brasileiro condena o ataque à sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Líbia, em Trípoli, que deixou três mortos e ao menos 10 feridos. O comunicado do Ministério das Relações Exteriores destaca que a solução está na negociação medida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em busca de uma “solução política definitiva” e repudia qualquer ação de caráter terrorista.

“Brasil reitera seu firme repúdio a todos os atos de terrorismo, independentemente de sua motivação”, diz o texto. “O governo brasileiro manifesta seu apoio à busca de uma solução política definitiva para a Líbia, em conformidade com o plano de ação auspiciado pelo Representante Especial do Secretário-Geral da ONU, com vistas à paz e à estabilidade duradouras e à efetiva contenção de grupos extremistas no país.”

Na terça (25) o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Líbia foi alvo de atentado com três explosões na capital Trípoli. Um veículo com bomba explodiu próximo ao prédio nesta tarde. Após o incidente, houve dois atentados suicidas. Uma pessoa invadiu o segundo andar do ministério e ativou a bomba que portava. No térreo, outro terrorista provocou explosão com bomba que carregava em uma mala.

Atentado – Um veículo com bomba explodiu próximo ao prédio nesta tarde. Após o incidente, houve dois atentados suicidas. Uma pessoa invadiu o segundo andar do ministério e ativou a bomba que portava. No térreo, outro terrorista provocou explosão com bomba que carregava em uma mala.

Segundo o site do canal RTP Notícias (de Portugal), o ministro da Administração Interna da Líbia, Fathi Bach Agha, reconheceu que o país vive um “caos de segurança” e que é “terreno fértil” para o grupo jihadista Estado Islâmico, a quem atribuiu o atentado. A autoria das explosões ainda não foi confirmada.

(Agência Brasil)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui