Graça Paz lamenta dados do Ipea sobre aumento da violência no Maranhão

0
417

A deputada Graça Paz (PSL) ocupou a tribuna, na sessão desta segunda-feira (5), para manifestar sua preocupação com notícias negativas sobre o Maranhão, veiculadas em redes nacionais de TV. Ela lamentou a divulgação de estatísticas recentes do Atlas da Violência, que apontam o Maranhão entre os estados onde houve aumento na taxa de homicídios.

“Lamento esta notícia de que os estados que registraram o maior aumento no número de assassinatos foram Rio Grande do Norte, Sergipe, Tocantins e o nosso Maranhão, infelizmente. Houve um crescimento grande de assassinatos no nosso Estado”, declarou Graça Paz na tribuna.

Ela observou que alguns estados registraram redução no índice de homicídios, entre os quais Espírito Santo, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo. E no ranking das cidades mais violentas Brasil está São José de Ribamar. “É lamentável. Eu gostaria de estar dando uma notícia boa, mas saiu o resultado do Atlas da Violência 2017, com esses dados que realmente nos entristecem”.

Além das estatísticas sobre violência, a deputada Graça Paz comentou que, no noticiário nacional, foi ao ar uma reportagem mostrando vários doentes enfrentando graves dificuldades para ter acesso a sessões de hemodiálise. “São pacientes oriundos de Chapadinha, de Pinheiro, de Cururupu para fazer hemodiálise na pior situação, aqui em São Luís, quando nós já deveríamos ter centros de hemodiálise espalhados pelo nosso Maranhão”.

Graça Paz salientou que estas notícias negativas sobre o Maranhão estão sendo veiculadas em nível nacional. “Não podemos nos alegrar com essas notícias, aqueles que fazem oposição ao governo devem lamentar juntamente com aqueles da base do governo, porque nós temos obrigação. Nós somos votados para melhorar a qualidade de vida do nosso povo. Nós estamos aqui com o voto dessa população do Maranhão que confiou e que espera que a gente olhe, que a gente brigue por ela e é isso o que nós devemos fazer aqui nesta Casa, é este o nosso papel”, ressaltou a deputada, ao concluir seu pronunciamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui