Jair Bolsonaro diz que “algo está sendo feito errado” nas barragens de Minas Gerais

0
342

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (25) que “algo está sendo feito errado” a respeito das barragens de rejeitos de mineração. Ele citou que apenas em Minas Gerais há 450 barragens como a que se rompeu e que é necessário tomar medidas emergenciais no esforço de “minimizar mais essa tragédia”. Segundo o presidente, cabe ao governo federal a fiscalização para buscar “meios para se antecipar ao problema”.

“Vamos tentar diminuir o tamanho do mal que essa barragem, ao se romper, proporciona ao meio ambiente e junto à população. Não quero culpar os outros pelo que está acontecendo, mas algo está sendo feito errado ao longo dos tempos”, disse o presidente em entrevista à Rádio Regional FM.net, de Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Bolsonaro disse que os ministros de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque Júnior, Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, e do Meio Ambiente, Ricardo Salles, irão à região afetada pelo rompimento da barragem da mineradora Vale do Rio Doce.

O presidente citou a tragédia em Mariana, também em Minas Gerais, em 2015, quando 200 pessoas ficaram desalojadas e 19 morreram. Na ocasião, a exemplo do que ocorreu hoje, uma barragem também se rompeu, liberando milhares de toneladas de rejeitos na natureza.

Presidente Jair Bolsonaro discursa durante Sessão Plenária do Fórum Econômico Mundial em Davos.

“Acionamos um gabinete de crise aqui em Brasília e ficaremos antenados 24 horas por dia para prestar informações à população, para colhê-las também, de modo que possamos minimizar mais essa tragédia depois da [tragédia] de Mariana. A gente esperava que não tivesse uma outra, até por uma questão daquela servir de alerta, mas infelizmente temos esse problema agora”, disse.

A estimativa mais recente do Corpo dos Bombeiros é que 200 pessoas estão desaparecidas. A estrutura, que pertence à Vale, liberou no meio ambiente um volume ainda desconhecido de rejeitos de mineração.

Gabinete de crise – O Ministério do Meio Ambiente divulgou nota em que informa ter criado um “gabinete de crise” para atuar no caso do rompimento da barragem da mineradora Vale na cidade de Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Segundo os bombeiros, pelo menos 200 pessoas estão desaparecidassegundo estimativas dos bombeiros.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, viajou ao local acompanhado do presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Eduardo Bim, para acompanhar o desenrolar do caso. Segundo a nota do órgão, uma equipe do Ibama já está no local atuando juntamente à Secretaria de Meio Ambiente de Minas Gerais.

“A preocupação inicial do governo federal é com o resgate de vítimas, atendimento à região e a proteção de pontos de captação de água”, acrescenta o informe. Além do ministro do Meio Ambiente, também foram à cidade os titulares das pastas de Minas e Energia e de Desenvolvimento Regional.

Para além das vítimas, no caso do abastecimento há uma preocupação pelo fato do rio próximo à barragem, Paraopeba, ser fonte de água da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Os bombeiros informaram que os rejeitos atingiram o rio. A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), afirmou em nota que a população não seria prejudicada .

(Agência Brasil)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui