Lourival Serejo é convidado paaa correspondente da Academia Brasiliense de Letras

0
1168

O desembargador Lourival Serejo foi convidado pela Academia Brasiliense de Letras para integrar o Quadro de Membros Correspondentes da instituição. O magistrado, que é vice-presidente do Tribunal de Justiça, escritor e poeta, já é membro efetivo de outras quatro academias. Serejo ocupa a cadeira nº 35 da Academia Maranhense de Letras e é membro fundador da Academia Maranhense de Letras Jurídicas, da Academia Imperatrizense de Letras e da Academia Vianense de Letras.

O convite formal foi feito pelo presidente da Academia Brasiliense de Letras, Fábio de Sousa Coutinho, por deliberação da diretoria da Associação. O patrono do desembargador, na cadeira nº 12 do referido quadro, será o escritor Francisco Adolfo Varnhagen.

O desembargador Lourival Serejo lançou recentemente, no mês de maio, a obra “Mistérios de uma cidade invisível”. O título da crônica remete aos 400 anos de histórias, lendas e mistérios da cidade de São Luís, fundada em 8 de setembro de 2012. A obra é uma homenagem à cidade de São Luís, onde o autor, natural de Viana (MA), reside desde 1969.

O escritor e suas obras – O desembargador Lourival de Jesus Serejo Sousa nasceu na cidade de Viana, Maranhão. Filho de Nozor Lauro Lopes de Sousa e Isabel Serejo Sousa. Formou-se em Direito, em 1976, especializando-se em Direito Público, pela Faculdade de Direito do Ceará, em 1980 e, posteriormente, em Direito Processual Civil pela Universidade Federal de Pernambuco, em convênio com a Escola Superior da Magistratura do Maranhão. Atualmente, é desembargador do Tribunal de Justiça do Maranhão e vice-presidente da Corte.

Antes de ingressar na magistratura, Lourival Serejo foi advogado e promotor de Justiça. Na magistratura já exerceu as seguintes atividades: diretor da Escola Superior da Magistratura do Estado do Maranhão, juiz auditor da Justiça Militar, membro do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão e ouvidor do Tribunal de Justiça do Maranhão.

Lourival Serejo publicou 23 obras: Rua do Porto (1997), O Presépio Queimado (1998), Contribuições ao Estudo do Direito (1998), Do Alto da Matriz (2001), O Baile de São Gonçalo (2002), Do Alto da Matriz, 2ª Edição (2004), Direito Constitucional da Família, 2ª Edição (2004), As Provas Ilícitas no Direito de Família (2004), Na Casa de Antônio Lobo (2006), Na Casa de Clóvis Bevilácqua (2007), A Família Partida ao Meio (2007), Da Aldeia de Maracu à Vila de Viana (2007), A Ética como Paradigma de Ativo Judicial (2010), Formação do Juiz, anotações de uma experiência (2010), Temas e Temáticas Jurídicas (2011), Entre Viana e Viena, 100 crônicas escolhidas (2012), Pescador de Memórias (2013), Aluísio Azevedo Sempre (2013), Novos Diálogos de Direito de Família (2014), Direito Constitucional da Família, 3ª Edição (2014), Direito Eleitoral (2016), Casablanca (2016) e Mistérios de uma Cidade Invisível (2019).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui