Maioria dos congressistas é a favor da Reforma da Previdência, revela pesquisa do BTG Pactual

0
1072

MARIANA FRAGA

A maioria dos integrantes do Congresso Nacional é a favor da Reforma da Previdência, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira (11) pelo banco BTG Pactual. Na Câmara, 82% são favoráveis, enquanto no Senado, o percentual chega a 89%.

A mudança nas regras previdenciárias também tem o apoio de especialistas. Para o economista e doutor em Ciências Políticas Paulo Tafner, não há mais como o Estado sobreviver se não fizer mudanças consideráveis.

“Vários estados não estão pagando o salário em dia, nem a aposentadoria. Hoje, em mais da metade dos estados, a folha com aposentado é maior com ativo e a tendência é só crescer. E hoje não tem mais jeito do Estado sobreviver se não for enfrentando a questão previdenciária. E a população está percebendo isso porque ela percebe que é pior não ter educação, não ter segurança e não ter salário do que mexer na aposentadoria.”

Na proposta da reforma da Previdência, o governo quer utilizar o sistema de capitalização, no qual o trabalhador faz uma espécie de poupança para garantir a aposentadoria no futuro. Esse regime vai substituir o atual modelo de repartição, no qual quem contribui paga os benefícios de quem já está aposentado.

Segundo Tafner, o modelo atual transfere um custo individual para o coletivo. Por isso, o especialista entende que o governo quer incentivar as pessoas a bancarem sua própria aposentadoria.

“A gente está tirando o risco do ombro da sociedade. Parte do problema do nosso sistema é que a Previdência criou um mecanismo de enorme proteção às pessoas, cujo esforço de poupança é muito baixo. Um bom modelo é aquele que dá uma proteção mínima e força e incentiva as pessoas à fazerem a sua pensão, a sua aposentadoria, poupando ao longo da vida. É necessário criar um sistema que incentive as pessoas e as famílias a fazerem a sua poupança.”

 

Capitalização – Na proposta da reforma da Previdência, o governo quer utilizar o sistema de capitalização, no qual o trabalhador faz uma espécie de poupança para garantir a aposentadoria no futuro. Esse regime vai substituir o atual modelo de repartição, no qual quem contribui paga os benefícios de quem já está aposentado.

Segundo Tafner, o modelo atual transfere um custo individual para o coletivo. Por isso, o especialista entende que o governo quer incentivar as pessoas a bancarem sua própria aposentadoria.

“A gente está tirando o risco do ombro da sociedade. Parte do problema do nosso sistema é que a Previdência criou um mecanismo de enorme proteção às pessoas, cujo esforço de poupança é muito baixo. Um bom modelo é aquele que dá uma proteção mínima e força e incentiva as pessoas à fazerem a sua pensão, a sua aposentadoria, poupando ao longo da vida. É necessário criar um sistema que incentive as pessoas e as famílias a fazerem a sua poupança.”

Na proposta enviada para o Congresso, a maioria dos parlamentares também é favorável à inclusão dos militares na reforma e em regras diferentes para aposentados rurais e urbanos. No entanto, a maioria dos congressistas discorda da proposta de idade mínima igual para homens e mulheres, que seria de 65 anos.

O levantamento do BTG Pactual foi realizado pelo instituto de pesquisa FSB entre os dias 4 e 8 de fevereiro, com 235 deputados federais e 27 senadores.

(Agência Rádio Mais)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui