Maranhão tem a maior concentração de renda nas mãos de poucos, segundo pesquisa IBGE

0
259
Dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua do IBGE
No Maranhão, os 10% da população com maior renda concentram 39,2% da massa de rendimentos, menor que no Brasil, já que esse percentual em nível nacional é de 43,1%, enquanto no Nordeste é de 42,7%. Esses são alguns dos dados revelados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD C), com a temática “Rendimento de todas as fontes 2018”, divulgada pelo IBGE, na última quarta-feira (16).

Em relação a 2012, tanto no Brasil quanto no Nordeste e no Maranhão, em 2018 houve crescimento na participação dos 10% das pessoas com maiores rendimentos. Em 2012, no Brasil, os 10% do topo da pirâmide de renda detinham 29,9%, no Nordeste, detinham 30,6%, e no Maranhão, 25,8%.

A pesquisa apontou também que, na composição da renda domiciliar, no Maranhão, em 2018, a participação da renda proveniente de aposentadorias e pensões foi de 25,5%, enquanto no Brasil foi de 20,5%.

Quanto aos dados da renda média das pessoas por fonte de renda, percebe-se que a renda média derivada de aposentadorias e pensões é bem próxima da renda proveniente de trabalho.

Renda média das pessoas por fonte de rendimento

Abertura geográfica subclasse 2018
Maranhão Todas as fontes¹ R$ 1.166
Todos os trabalhos¹ R$ 1.288
Outras fontes R$ 774
Aposentadoria e pensão R$ 1.223
Aluguel e arrendamento R$ 700
Pensão alimentícia, doação e mesada de não morador R$ 322
Outros rendimentos R$ 337

 

Outra informação levantada na PNAD Contínua é que, dentre os estados brasileiros, o Maranhão apresentou o menor rendimento médio mensal das pessoas com renda, independente da fonte, se do trabalho ou não.

Embora, em termos de ganhos reais, comparando-se 2012 a 2018, a média  tenha crescido de R$ 1.087,00 para R$ 1.166,00, totalizando aumento real de 7,3% e ficando acima do constatado para o Brasil (+4,5%).

Confira a renda média mensal das nas unidades da Federação

Mesmo apresentando a menor renda média mensal, o grau de concentração de renda, medido pelo coeficiente de Gini, no Maranhão, é de 0,526, menor que o constatado para Brasil (0,545) e Nordeste (0,545).

De acordo com José Reinaldo Ribeiro Júnior, Tecnologista de Informações Geográficas e Estatísticas do IBGE, a PNAD Contínua fornece informações fundamentais para o estudo do desenvolvimento socioeconômico do País.

“Sem dúvida, quando o IBGE traz números atinentes à temática renda monetária, acaba por trazer luzes sobre as condições de vida da população. A moeda é o meio fundamental através do qual se acessa bens e serviços essenciais para a sobrevivência das pessoas. Dá uma boa medida, embora não seja a única, para se saber se a economia é capaz de ter melhorado ou não a qualidade de vida das pessoas, destacou”.

(Fonte IBGE)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 (Fonte: IBGE)

 

Mesmo apresentando a menor renda média mensal, o grau de concentração de renda, medido pelo coeficiente de Gini, no Maranhão, é de 0,526, menor que o constatado para Brasil (0,545) e Nordeste (0,545).

De acordo com José Reinaldo Ribeiro Júnior, Tecnologista de Informações Geográficas e Estatísticas do IBGE, a PNAD Contínua fornece informações fundamentais para o estudo do desenvolvimento socioeconômico do País.

“Sem dúvida, quando o IBGE traz números atinentes à temática renda monetária, acaba por trazer luzes sobre as condições de vida da população. A moeda é o meio fundamental através do qual se acessa bens e serviços essenciais para a sobrevivência das pessoas. Dá uma boa medida, embora não seja a única, para se saber se a economia é capaz de ter melhorado ou não a qualidade de vida das pessoas, destacou”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui