O que esperar da Argentina nesta Copa América?

0
1586
Fonte: “Lionel Messi World Cup Golden Ball | 140713-9163-jikatu” por Jimmy Baikovicius (CC BY-SA 2.0)

Muito já foi comentado sobre a convocação de Tite para a próxima Copa América, a ser realizada aqui em solo brasileiro em breve. Por contar apenas com 23 espaços em sua montagem do grupo, o técnico da Seleção teve de deixar alguns atletas de fora, e aqueles que foram chamados também passaram pelo escrutínio geral da nação.

Chamam a atenção a escolha por jogadores já bem experientes, como Thiago Silva, Daniel Alves e Filipe Luís, para compor a defesa do time. Assim como a ausência de jogadores como Lucas Moura, que fez temporada acima da média no Tottenham e ganhou muito destaque com os três gols marcados na classificação do seu time para a final da Liga dos Campeões em uma vitória épica de 3 a 2 sobre o Ajax.

Mas é necessário olharmos também ao nosso redor, pois o título da Copa América – que se faz necessário para que Tite consiga se manter no cargo – não depende apenas dos nossos próprios esforços. Rivais como a Argentina e o Uruguai também farão de tudo para pôr as mãos no caneco, após anos de jejum.

E a Argentina apresenta o maior risco à Seleção em seu caminho potencialmente vitorioso rumo ao campeonato. Considerando as apostas online da Betfair, os “alvicelestes” aparecem como segundo favoritos ao título, logo atrás do Brasil.

O time só não se apresenta com chances maiores porque a “Messidependência” continua firme e forte como maior fator de vitórias do time. Apesar de Lionel Messi ter ameaçado se aposentar do time após mais uma decepção na última Copa do Mundo, onde o time saiu da competição nas oitavas de final após uma derrota de 4 a 3 contra a França, o astro do Barcelona e da Argentina voltará aos gramados pela sua seleção nesse torneio de meio de ano.

A “Messidependência” tem origem também na fraqueza do time fora das posições de meio-campo e ataque. Entre os nomes chamados para compor as opções de goleiro e defesa, sobram jogadores sem um grande destaque nos maiores times do mundo – situação essa inversa ao que ocorre com o Brasil, onde nossos goleiros (Alisson do Liverpool, Ederson do Manchester City) e defensores (Thiago Silva e Marquinhos no Paris Saint-Germain, Filipe Luís no Atlético de Madrid) são peças chave de seus respectivos times.

Porém, é justamente do meio para a frente onde a Argentina mostra suas garras. Além do supracitado Messi, tem-se opções no meio-campo como Leandro Paredes, recém contratado pelo Paris Saint-Germain, e Giovani Lo Celso, que fez excelente temporada no Real Betis, como opções ofensivas a partir do setor para criar muitas chances aos atacantes argentinos.

Fonte: “Paulo Dybala 1555” por Alessandra De Luca (CC BY-SA 2.0)

No ataque, a situação é parecida. Messi poderá atuar do lado de Ángel Di María, Paulo Dybala, Sergio Agüero, Lautaro Martínez ou Mauro Icardi. Todos estes fizeram temporadas entre boas e excelentes por seus clubes, com Dybala ganhando o título da liga italiana pela Juventus, e Agüero levantando três troféus doméstico na Inglaterra com o Manchester City.

Brasil e Argentina se enfrentarão apenas na fase de “mata-mata”, com um cruzamento podendo aparecer já nas oitavas de final caso o Brasil termine seu grupo em primeiro e a Argentina em terceiro, ou vice-versa. Entretanto, o que se espera é um duelo na final do torneio, a ser disputada em pleno Maracanã, no Rio de Janeiro, no dia 7 de julho.

De todo modo, caso o encontro aconteça, o Brasil precisará corrigir os dilemas da última Copa do Mundo onde a defesa atuava com excelência, mas com um ataque deficiente. A defesa se fará ainda muito necessária, haja vista a força dos argentinos nas suas linhas de frente. Porém, o Brasil tem que explorar – e muito – a defesa argentina, cujo maior nome é Nicolás Otamendi, que foi um mero reserva na última temporada europeia pelo campeão inglês Manchester City.

Assim sendo, os jogos entre Brasil e Argentina podem muito bem ter placares elásticos – para um lado ou para o outro. Como visto no jogo entre França e Argentina na última Copa do Mundo, não se pode perder a atenção para os perigos que o time, mesmo combalido, apresenta em seu ataque. Agora, é esperar para ver se Tite vê a rota do Brasil passando pela Argentina da mesma forma. Ou se ele vai se voltar ao pragmatismo já usual de seus trabalhos…

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui