ONGs reivindicam porto seguro para desembarcar 176 refugiados

0
57

As duas organizações não governamentais (ONGs) que controlam o navio humanitário Ocean Viking pediram à União Europeia (UE) que indique rapidamente um porto seguro para desembarcar os 176 migrantes, de diferentes países africanos, que resgataram na costa da Líbia no fim de semana.

“Já é a quarta vez, desde o início das operações da Ocean Viking, que esperamos por um lugar seguro para desembarcar”, diz em comunicado a SOS Méditerranée, que administra o navio juntamente com os Médicos Sem Fronteiras (MSF).

Além disso, a nota  afirma que os governos “falharam” na implementação de “um mecanismo de desembarque previsível”, e que os acordos alcançados pontualmente para cada ocasião “não podem ser a solução”.

O navio deixou a zona de resgate, na costa da Líbia, e seguia para o norte. Hoje (14) de manhã, estava entre a ilha italiana de Lampedusa e Malta.

As duas ONGs se recusaram a levar migrantes para Trípoli, como as autoridades líbias haviam indicado, porque não consideram a Líbia um país seguro.

No final do sábado, depois de a ONG Alarm Phone lançar alerta sobre uma embarcação em perigo, o Ocean Viking resgatou 68 homens e seis menores não acompanhados nas proximidades de uma plataforma de petróleo.

O segundo resgate, também graças a um aviso do Alarm Phone, permitiu resgatar 102 pessoas, entre elas quatro mulheres grávidas e nove crianças menores de 16 anos.

“Mais uma vez, teremos de esperar com essas pessoas a bordo”, disse a diretora-geral adjunta da SOS Méditerranée à agência de notícias EFE, acrescentando que, parado, o Ocean Viking não pode continuar com seu trabalho de resgate que “tanta falta faz” nessa área.

Vários países, liderados pela França e Alemanha, concordaram, no fim de setembro, com um dispositivo para a distribuição de migrantes resgatados, mas apenas os do Mediterrâneo central.

(Agência Brasil, com informações da RTP, emissora pública de televisão de Portugal)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui