Porto São Luís cumpre acordo com governo e prioriza moradores do Cajueiro com empregos

0
308
A comunidade deu os primeiros passos e muitos já conseguiram emprego, afirma José de Oliveira Valentim

Uma das principais demandas dos moradores das comunidades do entorno do Porto São Luís – emprego – começa a ser atendida. Com o reinício das obras do empreendimento e seu ritmo acelerado antes do período de chuvas, a Rota Nordeste Associados, empresa que está construindo o Terminal de Uso Privado (TUP), já contratou 92 trabalhadores que moram nas comunidades que integram o Cajueiro. Com as futuras demandas de mobilização, a tendência é de crescimento nessas contratações.

O gerente administrativo e financeiro da Rota Nordeste, Antônio Carlos Marques, explica que a empresa está priorizando a contratação de mão de obra entre os moradores do Cajueiro, pois foi um compromisso assumido pela direção do Porto São Luís e a Rota Nordeste junto ao Governo do Estado. “A única exigência é de que todos sejam cadastrados no Sistema Nacional de Empregos (Sine)”, acrescenta o gerente.

No total, o processo de cadastramento no Sine/MA nas comunidades do entorno do Porto São Luís registrou 670 pessoas. Destas, 92 já foram contratadas e a previsão é de que mais 60 sejam chamadas nas próximas etapas, à proporção que houver demanda.

Antônio Carlos Marques diz que a empresa está priorizando a contratação de mão de obra entre os moradores do Cajueiro

Dos 670 profissionais cadastrados no Sine/MA em busca de vagas para o Porto São Luís, 124, especificamente, são moradores de áreas de reintegração de posse e comunidades vizinhas. Destes, 40 já foram admitidos; 66 ainda serão; 10 recusaram o emprego; 6 o telefone de contato que forneceram não atende, e 2 estão trabalhando em outro local.

Atualmente, 250 colaboradores trabalham na área do Porto São Luís, exercendo diversas funções: vigilantes, pedreiros, ajudantes, técnicos em segurança, auxiliares, engenheiros, entre outras.

Cursos na comunidade – Moradores das mais de cinco comunidades que integram o Cajueiro se mobilizaram para obter capacitação. Por iniciativa própria, buscaram parcerias e levaram para a área cursos gratuitos de Matemática Básica, Eletricista, Logística Portuária e Marinheiro de Convés, que reuniram mais de 100 alunos. Os próximos passos serão cursos de Inglês e Mandarim.

“Vão surgir oportunidades, então não podemos ficar parados. Temos de nos capacitar. A comunidade deu os primeiros passos e muitos já conseguiram emprego”, afirma José de Oliveira Valentim, morador da comunidade Guarimanduba, e mobilizador dos cursos de profissionalização na área do Cajueiro.

Para Priscila de Fátima, moradora da comunidade Andirobal que fez o curso de Logística Portuária, a expectativa é grande de conseguir uma vaga na área. “Para nós, mulheres da comunidade, termos a oportunidade de trabalhar perto de casa nos deixa muito felizes. O primeiro passo nós demos e agora vamos continuar, pois conhecimento nunca é demais e ele pode nos garantir um futuro melhor”, declara a moradora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui