Produção de soja aumenta 3,5 milhões de toneladas em vinte anos

0
929

Nos últimos 20 anos, o crescimento anual da produção de soja no Brasil foi de 3,5 milhões de toneladas, o que representa um incremento de 13,4% a cada ano, enquanto a produção nacional saltou, na safra 1996/1997, de 26 milhões de toneladas para 95 milhões de toneladas, na safra 2015/2016.  É o que revela estudo da Embrapa Soja, com base em dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em que é revelado também aumento área plantada em mais de 1 milhão de hectares por ano e o aumento da produtividade foi de aproximadamente 34 kg por hectare por ano.

No Maranhão, de acordo com o estudo, a taxa média anual de crescimento da produção foi de 86,2 mil toneladas, o que representa uma taxa de 34,2%. No que diz respeito à produtividade, ela alcançou no estado a marca de 2.561 quilos por hectare, o que representa ter havido uma variação de 13,6%, sendo que o crescimento anual dessa produtividade foi 20,5 quilos por hectare ao longo desse período. Outro crescimento observado é referente à área plantada, que cresceu numa média 33,2 mil hectares por ano, o que dá uma variação anual de 27,6%.

“Isso nos mostra que o aumento da produção de soja no Brasil é resultante tanto do aumento da área cultivada quanto da produtividade. Também destacamos que a produtividade da soja brasileira não está estagnada, pelo contrário, vem crescendo a cada ano, assim como a área cultivada”, diz o pesquisador Alvadi Balbinot, da Embrapa Soja. Na avaliação do pesquisador, o aumento da produção não ocorreu somente em função do incremento de área, mas também pelo aumento na produtividade, que é uma medida de eficiência, porque representa mais quilogramas de grãos por unidade de área.

Comparando a safra 2016/2017 com a anterior, houve aumento de 600 mil hectares em área e de 468 kg/ha em rendimento, resultando em uma produção de 17,6 milhões de toneladas superior. Portanto, do total produzido nos 33 milhões de hectares de soja, cerca de dois milhões de toneladas vieram da expansão da área, e o restante (15,6 milhões de t) foi resultado do aumento da produtividade no campo.

A soja vem sendo cultivada há mais de duas décadas em 15 estados brasileiros, portanto, em várias condições de ambiente: desde regiões frias, com altitudes superiores a 1.200 m, até regiões quentes, com baixas altitudes e latitudes, além da diversidade de solos. “Essas variações refletem a oscilação na produção, por estado, o que resulta em diferentes potenciais para produção da oleaginosa”, diz Balbinot.

Desempenho – O Mato Grosso foi o estado com maior crescimento de produção anual – superior a um milhão de toneladas por ano. Em seguida, os que mais produziram foram o Paraná (aumento de 520 mil toneladas ao ano) e o Rio Grande do Sul (crescimento anual de 494 mil toneladas).

No Brasil, a produtividade média foi de 2.660kg por hectare, nos 20 anos de análise. O Mato Grosso, maior produtor nacional de soja, apresentou crescimento discreto de produtividade (média de 2.975kg/ha). Vale destacar que a elevada produtividade foi registrada desde a primeira safra da série considerada. “Por ter o menor coeficiente de variação, Mato Grosso apresenta alta estabilidade para produção de soja”, diz Balbinot.

No Rio Grande do Sul, ao contrário, o pesquisador explica que a variação da produtividade ao longo dos 20 anos foi muito grande, oscilando entre 600 kg/ha a 3.200 kg/ha. O Rio Grande do Sul e o Piauí registraram as menores produtividades médias brasileiras ao longo de 20 anos (inferiores a 2.400 kg por hectares). “Nesses estados há alta variabilidade ao longo do tempo, principalmente com déficit hídrico, o que indica elevados riscos à produção de soja”, diz Balbinot.

De acordo com a avaliação do pesquisador, de 1996/1997 a 2015/2016, várias mudanças nos sistemas de produção limitaram o aumento da produtividade de grãos de soja no Brasil. “Mesmo assim, a produtividade de soja aumentou em quase todos os estados brasileiros em duas décadas, o que indica que as ações de pesquisa, desenvolvimento e transferência de tecnologias foram eficientes”, frisa Balbinot.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui