Psicólogos optam por terapia on-line com pacientes para evitar transmissão do coronavírus

0
307

A alternativa é aconselhável neste momento de pandemia, além de manter o cuidado com os pacientes que necessitam de acompanhamento

 O atual momento de medo e desespero, causado pela pandemia do covid-19, popularmente conhecido como coronavírus, está levando muita gente a entrar em pânico. Com tantas informações a todo momento, os psicólogos alertam que a saúde emocional de algumas pessoas pode ser afetada.

Com todo esse caos instalado mundialmente, o Conselho Federal de Psicologia liberou as consultas on-line. Essa ação tem duas principais finalidades: evitar a propagação do vírus e, em contrapartida, manter os pacientes em tratamento psicológico, uma vez que essa crise e o isolamento social podem agravar alguns casos.

Até então, todo acompanhamento psicológico on-line só poderia ocorrer mediante o cadastro do especialista no e-Psi para, só então, começar o trabalho remoto. Porém, com o intuito de facilitar os atendimentos nesse período, o Conselho Federal de Psicologia, por meio de nota, suspendeu essa determinação nos meses de março e abril.

Referência em Psicologia Online no Brasil, a plataforma Vittude, utiliza o mecanismo digital, garantindo a segurança e comodidade dos pacientes. “Em momentos de insegurança e incerteza, o simples fato de ficar isolado em casa pode se tornar um gatilho para uma crise de ansiedade. Exatamente por isso, passa a ser fundamental o papel do psicólogo”, afirma Tatiana Pimenta, CEO e fundadora da Vittude.

Tatiana destaca, também, o papel da informação profissional para evitar o pânico. “Começamos nessa semana uma série de lives em nosso Instagram. Todos os dias, às 20h (horário de Brasília), convido um dos psicólogos da Vittude para um debate sobre temas que estão tirando o sono de muitos. Estamos explicando como lidar com excesso de informações, como gerir a ansiedade, o estresse, o medo da solidão e o desconforto com o isolamento”, explica.

A CEO também afirma que, nessa fase de pandemia, boa parte das buscas na internet são sobre medicamentos psiquiátricos. Dados preocupantes indicam que os conteúdos com maior volume de busca têm sido artigos sobre ansiedade, crise de ansiedade e informações sobre remédios como fluoxetina, rivotril, clonazepam, entre outros. “É extremamente importante destacar que qualquer medicação precisa ser prescrita por um médico”, alerta a especialista.

Para o psicólogo Célio Mota, o acompanhamento psicológico tem a possibilidade de proporcionar ao ser humano o autoconhecimento, o que contribui com resultados satisfatórios, incomparáveis para a saúde da psique e do corpo. Em contrapartida, a automedicação é um grande risco, pois erros simples podem ocorrer sem embasamento científico e causar danos irreversíveis.

Sobre a liberação da Terapia Online – Anteriormente ao surto do Cobid-19, a terapia por meio on-line já era liberada no Brasil.  A resolução CFP nº 011/2018 validou a prática terapêutica a distância e, em tempo real, para consultas e atendimentos psicológicos, processos de seleção de pessoal, supervisão técnica e aplicação de testes psicológicos, desde que devidamente autorizados pelo SATEPSI e normativas vigentes do CFP.

Veja as dicas dos psicólogos Hélio Malka e Sandra Quero para que as pessoas mantenham a saúde mental em dia. Confira:

  1. Reduzir a exposição às notícias;
  2. Ocupar a mente com atividades diversas;
  3. Manter o pensamento positivo tendo ciência de que está fazendo a parte que lhe cabe e que não temos controle sobre tudo e todos;
  4. Pensar no futuro, de forma moderada, e fazer planos positivos e prazerosos. Para quem não consegue fazer isso sozinho, recomenda-se procurar ajuda de um psicólogo;
  5. Estabelecer uma rotina, um ritmo para o seu dia;
  6. Manter os cuidados pessoais. Se arrume, mesmo para ficar em casa;
  7. Buscar, na medida do possível, algumas atividades prazerosas para fazer como ouvir músicas, ler um livro, um jogo em família, etc;
  8. Usar a tecnologia para se conectar com as pessoas. O isolamento é físico e não emocional;
  9. Lembre-se que tudo é passageiro.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação