Revista Maranhão Hoje destaca indignação de Bita Barão com a exploração política de sua fé

0
3945

A edição de número 61 da revista Maranhão Hoje, que marca os seus cinco anos de existência, traz como principal destaque a reação irada do babalorixá Bita do Maranhão com a exploração política de uma entrevista por ele concedida à revista Veja.

Diz Maranhão Hoje: “Um dos endereços mais famosos de Codó fica na Rua Rui Barbosa, é a famosa tenda de Wilson Nonato de Souza, o Mestre Bita do Barão, um dos mais famosos babalaorixás do Brasil, o que faz a cidade da região dos Cocais ser procurada por pessoas de diversas parte do Mundo, algumas a procura apenas de conselhos e outras de tratamento para os mais complicados problemas de saúde, a para estes casos atende num consultório, em frente ao seu Hotel Janaína, no Centro da Cidade”.

De acordo com a reportagem, “muitos dos frequentadores da tenda de Mestre Bita são políticos e eles o procuram sempre em anos de eleição. Alguns deles fazem parte do seu ciclo de amizade, como é o caso do ex-senador José Sarney e sua filha Roseana. Sarney, quando presidente da República o condecorou com uma das maiores comendas, mas numa entrevista a Maranhão Hoje, em 2014, revelou que até os adversários dos Sarney o procuram e citou o atual governador Flávio Dino como um dos que já estiveram com ele, fato negado pelos seus assessores. Que serviços ele presta é um segredo, pois ele diz apenas que aconselha e pede interferência de seus guias para ajudar, nunca para destruir”.

A reação veio numa nota em que Bita do Barão diz que a exploração política dessa entrevista fez aumentar o preconceito com os cultos de matriz afro. Veja um trecho da nota do Mestre Bita:

“… No texto, sou tratado pejorativamente como bruxo e feiticeiro, numa tentativa de demonizar a mim e às pessoas que frequentam terreiros. Espalhar a intolerância religiosa é, no mínimo, irresponsável, principalmente vindo de uma revista lida em todo Brasil. Codó, no Maranhão, é conhecida como a capital brasileira da Umbanda e os festejos promovidos no mês de agosto fazem parte do calendário religioso/cultural do Maranhão e, até mesmo, do Brasil. Turistas de todo o País que acreditam no poder da fé frequentam e vêm conhecer essa festa. É comum que políticos e autoridades, principalmente do meu próprio estado, venham a essa festa, da mesma forma em que vão a qualquer outro templo religioso…”

(A reportagem completa está disponível apenas na versão impressa)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui