Revista Veja diz que miséria no Maranhão se acentuou com Flavio Dino à frente do governo

3
2075

A revista Veja publicou nesta quinta-feira (13) em sua versão online ampla reportagem sobre o governo de Flávio Dino (PCdoB) e conclui que o pretenso candidato a presidente não faz uma gestão exemplar no Maranhão. Segundo a reportagem, quando se elegeu governador, Dino era uma novidade no cenário político nacional e ao prometer desenvolver o Maranhão e acabar com a miséria, mirava o fim de um ciclo quase ininterrupto de 48 anos de hegemonia do grupo de José Sarney, que deixou o estado na rabeira do país em termos sociais e econômicos.

O Maranhão, diz a revista, registrou importantes avanços em índices de qualidade de vida, como saúde e educação, mas viu ampliar-se a concentração de renda e o desemprego nos anos de Dino. Como se não bastasse, ele conseguiu uma “façanha” às avessas: em sua gestão, a miséria aumentou ainda mais no mais miserável de todos os estados brasileiros.

Para justificar alguns dos seus percalços no governo, Dino diz que “nem no meu pior pesadelo imaginava que enfrentaria o período mais agudo da crise econômica, um impeachment e a eleição de Bolsonaro”, diz.

O presidente da República se transformou no principal antagonista de Dino em nível nacional — o que ajudou o governador. Os holofotes se voltaram para ele justamente no momento em que Bolsonaro declarou que se tratava do pior entre “aqueles governadores de paraíba”. Para além das bravatas, o governo federal ampliou a contenção dos repasses para programas assistenciais.

Em janeiro, conforme revelou o site de Veja, a fila do Bolsa Família, antes zerada, tinha subido para quase 500 000 pessoas — hoje chega a 1 milhão. Só no Maranhão, o estado com os piores indicadores sociais do Brasil e o maior dependente do programa, houve o cancelamento de 56 000 cadastros de famílias. É uma situação crítica para a maioria das cidades locais, cuja economia depende do tripé formado por concessão dos benefícios, aposentadorias rurais e pagamento em dia dos servidores.

“Prefiro acreditar que é um método absurdo de administração da crise fiscal, e não retaliação”, afirma Flávio Dino.

Em meio à crise econômica, o governador aproveitou empréstimos que tinha à disposição para elevar consideravelmente os gastos públicos. Concedeu aumentos substanciais aos professores, reformou escolas, inaugurou hospitais e, principalmente, manteve o pagamento dos servidores em dia.

“Tinha de fazer isso para evitar um desastre social pior”, justifica. A política surtiu efeitos positivos importantes. O Maranhão viu melhorar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e os indicadores de educação. A morte de mulheres após o parto também caiu.

Em um de seus bordões clássicos, Dino diz que foi eleito para “ser governador, não milagreiro”. Em conversas com aliados, reconhece que 2019 foi o pior ano de toda a sua gestão. A prioridade para 2020 é contingenciar 30% do orçamento de 19,9 bilhões de reais para retomar o selo de bom pagador. O professor da UFMA Felipe Macedo de Holanda, outrora um dos conselheiros mais próximos a Dino, alerta para o perigo de o governo perder a capacidade de elaborar políticas de longo prazo. “Defendo as estratégias que foram implementadas, mas nós estamos apartados do futuro. Definitivamente, Dino não tem fortalecido o planejamento neste último um ano e meio”, critica.

No campo social, diz Veja, No campo social, o governo terá de lidar com aumentos incômodos nos índices da extrema miséria e do desemprego. “Isso só vai cair quando baixar no Brasil todo, sempre foi assim e, infelizmente, continuará assim”, diz o governador.

,(Com infirmações da Veja)

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação

3 COMENTÁRIOS

  1. Nao tem ninguen com coragem pra se unir a mim e entrar com processo contra o governador?
    Todos nós somos servidores e esse cara nao pode dar aumento só pra uma parte de funcionários. Ele tem que dá pra todos.isso é uma falta de respeito com outros funcionários.

  2. E ainda fala que é um postulante à cadeira de presidente da República com essa administração que está fazendo no Maranhão ah me ajuda aí sr governador tome tento sô? Ribamar df

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui