Sem poderem levar clientes aos seus salões, restaurantes se reinventam para não fecharem

0
65

AQUILES EMIR

Diretora de uma das casas de gastronomia mais badaladas da Lagoa da Jansen, o Ferreiro Grill, a empresária Carol Azevedo, desde o inicio da semana passada, vem se debruçando diante de uma nova realidade: levar o restaurante para dentro das casas dos seus clientes, já que não pode mais trazê-los para seu salão. “A experiência é nova e desafiadora, mas temos que manter a casa em funcionamento”, diz ela.

De acordo com Carol, a situação tornou-se complicada desde o dia 16 quando foram anunciadas as primeiras medidas para conter a propagação do coronavírus no estado e ficou complicada a partir da edição do decreto do Governo do Estado que suspendeu as atividades comerciais não essenciais, inclusive de bares, restaurantes e lanchonetes.

Para ela, o esforço visa a manter a casa em funcionamento sem dispensa de empregados, mas reconhece que não é suficiente esse tipo de trabalho, principalmente porque alguns clientes moram distantes, o que provoca aumento de despesa e consequentemente do custo do prato.

A experiência por que passa o Ferreiro Grill e as demais casas da empresa – Tasquinha e Ferreiro Praia – é a mesma que passa a ser adotada a partir desta segunda-feira (23) McDonald´s e outras marcas famosas, que fecharam seus salões para atender apenas por delivery.

Delivery – Diante dessa nova situação, os clientes se deparam com outro problema: segurança. O aplicativo iFood criou a opção de ‘Entrega sem Contato’ que pode ser escolhida no momento de realização do pedido. Para que isso aconteça, os pagamentos deverão ser efetuados online, pelo app. Na sequência, o entregador responsável pela rota será avisado e terá acesso às orientações enviadas pelo cliente para que possa concluir a entrega sem interação.

O chat entre entregadores e consumidores, já disponível anteriormente, pode ser utilizado ainda como ferramenta para combinar detalhes das entregas, passando a permitir o envio de fotos para facilitar a comunicação.

Pelo Uber Eats, nas instruções de entrega, o consumidor pode colocar a observação de que quer que a comida fique na porta ou na portaria, por exemplo. No caso da Rappi e da 99Food, é possível fazer a observação pelo chat.

Com pagamento feito pelo aplicativo e com essa observação, não será necessário manusear a máquina de pagamento e ter contato com o entregador.

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) orienta os estabelecimentos comerciais a oferecer o pagamento on line sempre que possível. Caso o pagamento seja em dinheiro, o troco deve ser colocado dentro de um saquinho. E as maquininhas podem ser envelopadas com filme plástico a cada uso. No site da Abrasel, há um guia com informações sobre os cuidados para os restaurantes e entregadores.

 

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui