Sesi lança programa para diminuição dos impactos de ausência do trabalhador na empresa

0
343

O Serviço Social da Indústria (Sesi) apresentou nesta quinta-feira (28), em São Luís, o Programa de Gestão de Afastamentos e Prevenção da Incapacidade, com cinco serviços de assessoria e consultoria para apoiar a indústria na redução dos impactos dos afastamentos causados especificamente por doenças. O objetivo é combater o absenteísmo, termo usado para designar a ausência dos empregados no trabalho, por falta ou atraso, é um problema que resulta em elevação de custos e impacta diretamente na produtividade das empresas.

O programa foi lançado com palestras a empresários maranhenses e gestores de recursos humanos de indústrias, proferidas pelo coordenador de Saúde e Segurança na Indústria do Sesi-MA, Allan Kardec Ayres Ferreira, e da gerente da Unidade Sesi de Segurança e Saúde do Trabalhador, Adriana Sabatini.

A apresentação da iniciativa foi realizada pela credenciada do Centro de Inovação em Prevenção à Incapacidade do Sesi da Bahia, Bianca Ramos de Freitas Matos. Ela chamou a atenção para a importância de se mudar a forma de enxergar a gestão dos afastamentos no trabalho atuando na prevenção da incapacidade, antes mesmo de acontecer o afastamento. Para isso, destacou a necessidade de envolver toda a equipe de recursos humanos e supervisores para obtenção dos resultados desejados.

“Quando falamos em afastamentos, estamos falando em dinheiro. O absenteísmo impacta diretamente a produtividade da empresa e precisa ser reduzido. Capacitar a área de recursos humanos das empresas é urgente, para que se tornem estratégicos e passem a atuar em práticas de prevenção desses afastamentos, criando ambientes saudáveis, salutares para os empregados, mas também aumentando seu nível de gestão do absenteísmo, para reduzir os custos das empresas, aumentando sua competitividade e produtividade”.

A palestrante classificou os custos crescentes na indústria com o Seguro contra Acidentes de Trabalho (SAT) -Riscos Ambientais do Trabalho (RAT) ajustado pelo Fator Acidentário de Prevenção (FAP); ações regressivas e judiciais, Termo de Ajustes de Conduta (TAC), reabilitação profissional, reintegração e gestão do retorno ao trabalho como grandes desafios para a indústria, que causam importantes impactos financeiros aos negócios.

“Esses custos não são baratos, algumas empresas perdem milhões com FAP, muitas não revisam a alíquota, não fazem uma análise dos afastamentos de suas empresas. Em tempos de eSocial, todas essas informações de saúde e segurança estarão expostas e as empresas precisam estar preparadas para lidar com elas”, destacou Allan Kardec.

FAP – O Fator Acidentário de Prevenção (FAP) é um multiplicador, atualmente calculado por estabelecimento, que varia de 0,5000 a 2,0000, a ser aplicado sobre as alíquotas de 1%, 2% ou 3% da tarifação coletiva por subclasse econômica, incidentes sobre a folha de salários das empresas para custear aposentadorias especiais e benefícios decorrentes de acidentes de trabalho.

O FAP é calculado sempre sobre os dois últimos anos de todo o histórico de acidentalidade e de registros acidentários da Previdência Social. Pela metodologia do FAP, as empresas que registrarem maior número de acidentes ou doenças ocupacionais, pagam mais. Por outro lado, o FAP aumenta a bonificação das empresas que registram acidentalidade menor. No caso de nenhum evento de acidente de trabalho, a empresa é bonificada com a redução de 50% da alíquota.

Programa – Os empresários que participaram do lançamento receberam gratuitamente a avaliação inicial para saber o nível em que estão em relação à gestão de afastamentos e prevenção da incapacidade. Um deles foi o empresário Luiz Carlos Martins, do ramo de engenharia.

“Acredito que em nosso Estado saúde e segurança ainda tem ficado em segundo plano, mas com o eSocial, veio a tona a necessidade de estarmos preparados e saber como informar isso corretamente ao governo federal, sob pena de receber multas. É muito importante esse alerta e apoio do SESI aos empresários, assim como uma oportunidade de mostrar como reduzir custos e economizar dinheiro nas empresas”.

Para prevenção da incapacidade, o Sesi propõe às empresas cinco serviços, cujo primeiro passo é a avaliação inicial da empresa para identificação de necessidades e demandas e, a partir daí, a implantação de soluções para o amadurecimento do RH da empresa para o tema. São elas:

  • Inteligência na coleta, registro, armazenamento e produção de informação e conhecimento com resultados na redução do risco de afastamentos e recidivas;
  • Gestão de aspectos legais: eSocial, nexos previdenciários e FAP e Identificação de preditores da incapacidade para o trabalho na indústria;
  • Novas práticas nos sistemas de trabalho de equipes de RH, de saúde e supervisores, com práticas de autogestão do cuidado para prevenção da incapacidade;
  • Manejo de casos complexos para o retorno e permanência no trabalho;
  • Detecção e planejamento de intervenções precoces na incapacidade para o trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui