Eduardo Braide mantém agenda de trabalho sem olho no retrovisor e sem transferir responsabilidades

0
473

Prefeito passa para a população a segurança de que a cidade tem comando 

AQUILES EMIR

Desde que assumiu o comando da Prefeitura de São Luís, Eduardo Braide (Podemos) tem passado para a população uma segurança sobre o comando da cidade. Isto mesmo, com todo respeito ao antecessor Edivaldo Holanda Júnior (PDT), que adotava uma postura mais discreta, a sensação que se tem hoje é que está explícito quem governa a cidade, pois antes era permitido até mesmo confundir ações do Município como se estas fossem do Governo do Estado, e talvez aí esteja um dos maiores desconfortos do Palácio dos Leões desde a posse do novo governo municipal.

Sem nunca ter seu nome citado pelo governador Flávio Dino (PCdoB), desde que venceu o pleito em dezembro do ano passado, quando impôs ao Palácio dos Leões uma grande derrota, Braide vem conseguindo realizar obras e ampliar a prestação de serviços na capital sem nunca ter recebido um centavo do Estado, mas isto não faz ficar, como outros gestores, chorando e praguejando, tampouco justificando o não fazer como culpa de outro.

Pensando bem, a atitude e as ações do prefeito não devem surpreender, pois ainda na campanha, quando já pressentia o tratamento que iria merecer do Governo do Estado, apelou por parceria, porém alertou que se isto não fosse possível, para cada obra que o Estado fizesse na capital, responderia com outra, “o que vai acabar beneficiando a população”, como dizia.

O que mais chama atenção no comportamento do novo prefeito é que, mesmo tendo assumido o comando do Município depois de uma transição curta, por conta do intervalo entre eleição e a posse, muita coisa ficou sem detalhes, mas, mesmo assim, embora com razões para transferir responsabilidades, nunca culpou o prefeito anterior pelo que tem de corrigir e fazer, tampouco reclama do que deixou de fazer, muito diferente de quem sempre atribui ao que ocorreu mais de meio século atrás o que deixa de fazer.

Como se diz popularmente na política, o prefeito está na direção de olhos fixos no parabrisas dianteiro e não olhando apenas para o retrovisor. Avante!

Braide, silenciosamente, vem conseguindo também tornar sem efeito um dos discursos mais repetidos na campanha de 2020: o bolsonarismo. Sim, ele era, no discurso dos contrários à sua candidatura, o preferido do Palácio do Planalto, embora o filiado ao partido de um dos filhos do presidente fosse o adversário em segundo turno.

Braide nunca criticou nem elogiou o presidente Jair Bolsonaro, de quem recebe, por enquanto, apenas o tratamento previsto na Constituição, o que já está de bom tamanho! Parcerias futuras podem e devem vir, mas tudo no campo da civilidade, sem extremismo da bajulação ou da contestação gratuita.

O que se verifica no município de São Luís hoje é aquilo que se espera de todo governante: cuidar primeiro de sua gente, sem alimentar o coração de ódio todos os dias e se maquiar de tolerante para subir ao palco e nem sempre corresponder aos anseios de quem acreditou em promessas de ruptura com práticas do passado.

Que outros gestores busquem neste exemplo inspiração para suas gestões.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação