Academia Maranhense de Letras tem até agora oito pretendentes para as três cadeiras vazias

0
777

AQUILES EMIR

Somente na próxima quinta-feira (20), o presidente Carlos Gaspar deverá declarar aberto o processo para escolha dos futuros ocupantes das três cadeiras que ficaram vazias na Academia Maranhense de Letras (AML) com as mortes dos intelectuais José Maria Cabral Marques, Waldemiro Viana e Milson Coutinho. Desde semana passada, no entanto, oito pessoas se movimentam e tentam se viabilizar para atingirem a imortalidade.

A maioria dos pretendentes é do campo do Direito (dentre eles um ministro do Superior Tribunal de Justiça – STJ), políticos e, para não ferir tanto a vocação da entidade, escritores e poetas.

De acordo com uma fonte da Casa de Antônio Lobo, como é conhecida a AML, a cadeira mais disputada é a 15, que era ocupada pelo ex-desembargador Milson Coutinho e a menos disputada é a 38, que tem como pretende o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Reinaldo Sousa da Fonseca, que, apesar do seu valor como magistrado, não é autor de nenhuma livro.

O presidente Carlos Gaspar diz que gostaria de fazer de fazer eleição individual por cadeira

Para a cadeira 15, há cinco pretendentes. São eles:

  • José Jorge – diretor da Equatorial Energia, ex-deputado estadual e autor de dois livros, ambos sobre Pinheiro, sua cidade natal;
  • Daniel Blume – Advogado, procurador do Estado, autor de quatro livros de poesia e presidente da Academia Ludovicense de Letras;
  • Rossine Corrêa – Poeta, hoje residente em Brasília;
  • Fernando Belfort – Advogado, ex-juiz de trabalho e autor de diversos livros, a maioria no campo do Direito;
  • Eulálio Figueiredo – Graduado em Direito, é professor universitário com doutorado e Juiz de Direito, além de poeta, roteirista, escritor e compositor. Ele possui 10 livros publicados.

Para a cadeira de número 02, que era ocupada por Waldemiro Viana, há dois pretendentes:

  • Fernando Braga, poeta e jornalista
  • Othelino Neto – Jornalista, auditor licenciado do Tribunal de Contas do Estado, deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa do Estado.

As pretensões não devem parar por aí. Nesta quinta-feira (13) um advogado muito identificado com as letras e pretendente a uma vaga disse que poderá se inscrever, mas isto vai depender da acomodação das candidaturas por vaga, ou seja, vai analisar para qual teria mais chances.

O presidente da Academia, Carlos Gaspar, diz que não pode se pronunciar sobre essa disputa, até porque não existe a formalização de nenhum nome. Para ele, o ideal serial eleger sucessor individualmente, por cadeira, como um intervalo de pelo menos um mês de eleição para outra, mas se o entendimento da maioria for por uma eleição conjunta, atenderá esse pedido.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação