Água Doce do Maranhão recebe 33º ponto de inclusão digital do programa Justiça para Todos do TJMA

137

Pontos de inclusão digital estão em pleno funcionamento em todas as regiões do Estado

A Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão (CGJ-MA) instalou nesta quinta-feira, 6, no termo judiciário de Água Doce do Maranhão, o 33º Ponto de Inclusão Digital do projeto “Justiça de Todos”. Com a iniciativa, cerca de 13 mil habitantes, segundo dados do IBGE, passam a contar com um canal direto de comunicação com o Fórum da Comarca de Araioses e todos os órgãos do Sistema de Justiça.

A sala, instalada na Rua Tito Ferreira Gomes, s/n.º, bairro Centro, com capacidade para atender toda a população, foi viabilizada por meio de cooperação técnica com a Prefeitura Municipal de Água Doce do Maranhão, que cedeu o espaço físico, internet e um colaborador, treinado pela Corregedoria, para dar suporte técnico de atendimento a quem precisar acessar os sistemas.

A juíza Tereza Nina, coordenadora de Planejamento Estratégico da CGJ, ressaltou que outros 32 pontos de inclusão digital estão em pleno funcionamento em todas as regiões do Estado, e têm apresentado bons resultados com mais de 300 atendimentos relacionados à consulta processual; balcão virtual; videoconferência em audiências e sessões do Tribunal do Júri; e atendimento da Defensoria Pública Estadual, dentre outros. “Nossa expectativa é que as salas sejam cada vez mais demandadas pela população, por isso, contamos com o apoio e divulgação dos municípios parceiros e entidades da sociedade civil organizada, inclusive, para levar a mensagem que as mulheres podem ser ouvidas pela juíza e solicitar Medida Protetiva de Urgência por esse canal”, ressaltou a magistrada.

A juíza Jerusa Mendes, titular da 2ª Vara e Diretora do Fórum de Araioses, afirmou que a instalação do ponto de inclusão digital é um marco que chega para mudar a realidade e agilizar o trabalho da Justiça. “Essa ferramenta, importante, vai auxiliar o trabalho da Justiça na garantia de direitos, a exemplo das concessões de medidas protetivas de urgência para mulheres em situação de violência, dentre outras possibilidades”, frisou.

Para o magistrado Marcelo Fontenelle Vieira, titular da 1ª Vara de Araioses, a sala vai propiciar celeridade processual visto que em muitas oportunidades, principalmente durante as audiências criminais, foi necessário suspender o ato por ausência de testemunhas que em razão do aspecto financeiro não puderam se deslocar até o Fórum de Araioses. “É um novo momento, e como sugestão o projeto poderia alcançar outras localidades da comarca, já que Araioses está inserida no Delta das Américas e possui muitas ilhas de considerável densidade populacional, como as ilhas dos Poldros, Caju e Canárias, dentre outras’, sugeriu.

A promotora Samara Mesquita Caldas, titular da 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Araioses, lembrou que o Justiça de Todos é um programa de justiça social e visa aproximação do Estado com o cidadão e cidadã. “O Ministério Público vai utilizar muito essa ferramenta, que chega para garantir cidadania à população e aperfeiçoar o trabalho de todos que fazem o Judiciário”, parabenizou.

“Estou extasiado com essa inauguração, pois o Estado não é um fim em si mesmo, ele existe para promover o bem ao cidadão e o nosso dever é aproximar a população do Sistema de Justiça”, ressaltou o promotor de Justiça John Derrick Brauna, titular da 1ª Promotoria de Justiça de Araioses, ao elogiar a iniciativa da Corregedoria Geral da Justiça.

A prefeita Thalita e Silva Carvalho Dias afirmou que ao saber da existência do projeto não pensou duas vezes em buscar a Corregedoria para efetivar a parceria, que segundo a gestora “garante dignidade e comunicação direta com a Justiça”. A prefeita fez o teste de conexão em atendimento com o Balcão Virtual da 2ª Vara de Araioses.

ESTRATÉGIA NACIONAL

O “Justiça de Todos” está alinhado aos macrodesafios previstos na Resolução nº 325/2020 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que dispõe sobre a Estratégia Nacional do Poder Judiciário 2021-2026, bem como da Agenda 2030, que contempla os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) 10 (Redução das Desigualdades), 16 (Paz, Justiça e Instituições Fortes) e 17 (Parcerias em prol das Metas).

O Justiça de Todos também atende às orientações da Recomendação n. 130/2022 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A norma orienta os tribunais a instalarem Pontos de Inclusão Digital para maximizar o acesso à Justiça e garantir os direitos das pessoas excluídas digitais.

Já foram beneficiados os termos judiciários de Davinópolis e Governador Edison Lobão (Comarca de Imperatriz); Peritoró (Comarca de Coroatá); Bacabeira (Comarca de Rosário); Ribamar Fiquene (Comarca de Montes Altos); São João do Sóter e Aldeias Altas (Comarca de Caxias); Bom Jesus das Selvas (Comarca de Buriticupu); São João do Paraíso, Lajeado Novo e Campestre do Maranhão (Comarca de Porto Franco); Fortaleza dos Nogueiras, Tasso Fragoso, Nova Colinas e São Pedro dos Crentes (Comarca de Balsas); Pedro do Rosário e Presidente Sarney (Comarca de Pinheiro); Formosa da Serra Negra e Itaipava do Grajaú (Comarca de Grajaú); Lagoa Grande do Maranhão, Lago do Junco e Lago dos Rodrigues (Comarca de Lago da Pedra); Afonso Cunha e Duque Bacelar (Comarca de Coelho Neto); Goldofredo Viana (Comarca de Cândido Mendes); Luís Domingues (Comarca de Carutapera); Jatobá (Comarca de Colinas); Sucupira do Norte (Comarca de Mirador); Nova Iorque (Comarca de Pastos Bons); Benedito Leite (Comarca de São Domingos do Azeitão). O Distrito de Cajazeiras (Comarca de Codó), e o 5º Juizado Cível da Capital (Comarca da Ilha de São Luís) também receberam salas de videoconferência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui