Alckmin é apontado pela maioria do Congresso favorito para presidente

0
908
O candidato a governador, Geraldo Alckmin durante sabatina do jornal O Estado de SP Local: São Paulo/SP Data:20/08/2010 Foto:Ciete Silvério/Geraldo 45

A Sondagem Painel do Poder, criada pelo Congresso em Foco para avaliar o pensamento dos legisladores brasileiros, mostra que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), supera o ex-presidente Lula (PT) na bolsa de apostas das principais lideranças do Congresso Nacional para ser o próximo presidente da República.

A polarização da disputa entre os dois já era o cenário projetado em agosto, em que 31% dos parlamentares acreditavam que Lula era o candidato com mais chances de vitória em 2018. Alckmin aparecia na segunda colocação, com 16%. De lá para cá, o tucano cresceu 13 pontos percentuais e chegou a 29% na cotação da cúpula da Câmara e do Senado. Por outro lado, o petista viu o seu favoritismo cair seis pontos, e ficou com 25%.

Quem também registrou queda foi o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Os dados são do Painel do Poder, ferramenta criada pelo Congresso em Foco para mostrar o que pensa e para onde vai o Legislativo brasileiro.

O universo dos entrevistados compreende apenas os congressistas com maior capacidade de decisão: líderes partidários, membros das Mesas Diretoras da Câmara e do Senado, presidentes de comissões e influenciadores das principais bancadas temáticas.

A inversão na projeção eleitoral não é a única novidade da pesquisa, que mostra a variação do humor da cúpula do Congresso ao longo do ano em relação a outros assuntos: quase 80% dos parlamentares ouvidos acreditam que a reforma da Previdência não passará ou só será aprovada com profundas mudanças; cresceu o índice de insatisfação das lideranças sobre a relação entre Executivo e Legislativo, e subiu para próximo de 100% o índice de parlamentares que avaliam que o presidente Michel Temer concluirá o seu mandato.

Bolsonaro e Doria – Quanto ao cenário eleitoral, o crescimento de Alckmin coincide com o “desaparecimento” do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), entre os candidatos com maior potencial no entendimento dos entrevistados. Ele era citado, em agosto, por 13% dos parlamentares ouvidos como o candidato com mais chance de chegar ao Palácio do Planalto em 2018. Dessa vez não foi sequer citado pelas lideranças do Congresso.

Ignorado no levantamento anterior, o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) foi apontado agora como o nome mais forte por 10% dos deputados e senadores ouvidos.

Quem também saiu do zero foi o ex-governador do Ceará Ciro Gomes, pré-candidato pelo PDT. Ele é apontado por 6% dos parlamentares. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), oscilou para baixo: de 5% para 4%.

Queda mais brusca teve Jair Bolsonaro, que pretende se candidatar à Presidência pelo Patriota, novo nome do PEN. Em agosto, ele despontava como favorito para 7% dos entrevistados. Agora, é apontado nessa condição por apenas 4%. A avaliação das lideranças não coincide com as pesquisas eleitorais, que indicam uma polarização entre Lula e Bolsonaro nas intenções de voto. Alckmin aparece apenas na quarta colocação, atrás também de Marina Silva, de acordo com a última pesquisa Datafolha, divulgada no início de dezembro.

Também são citados pelos entrevistados como possíveis favoritos para a disputa presidencial Joaquim Barbosa, que negocia filiação ao PSB, Henrique Meirelles (PSD), Cristovam Buarque (PDT), Marina Silva (Rede) e Paulo Rabello de Castro, que já se apresenta como pré-candidato pelo PSC. Cada um deles é lembrado por 2%. Nenhum deles figurava na lista em agosto. Não responderam: 10%.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação