Além da prisão judicial, Roberto Jefferson foi autuado em flagrante por atirar em policiais

37

Bolsonaro diz que ação do ex-parlamentar foi ato de bandido

AQUILES EMIR

Após se entregar aos policiais federais que cumpriram o mandado de prisão do ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na noite deste domingo (23), o ex-deputado e presidente afastado do Partido Trabalhista Brasileira (PTB) Roberto Jeferson foi autuado em flagrante pela reação que teve pela manhã. O político recebeu os agentes federais a disparos de fuzil e lançamento de granadas.

A prisão foi decretada pelo ministro do STF e do TSE a pedido dos senadores Ranfolfe Rodrigues (Rede-AP) e Eliziane Gama (Cidadania-MA), após as ofensas de Jefferson à ministra Carmen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF) e Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por conta do seu voto a favor de censuras impostas pelo TSE a veiculos de comunicação e perfis nas redes sociais, sempre que julgar que a informação é falsa.

“Além da prisão judicial, o investigado também foi preso em flagrante sob a acusação, inicial, de tentativa de homicídio, sem prejuízo de eventuais outros crimes cometidos durante a ação”, diz a nota da PF.

Pela manhã, os policiais que  cumpriam a ordem judicial foram surpreendidos pela reação do ex-deputado que atirou na viatura e os estilhaços os atingiram, sem gravidade. Jeffeson ainda lançou uma granada de efeito moral contra os policiais.

Após esse confronto, Roberto Jefferson gravou um vídeo em que dizia que não se entregaria e, se necessário, reagiria até a morte, mas após horas de negociações medidas pelo Padre Kelmon, que foi candidato a presidente pelo PTB, se entregou.

Ao tomar conhecimento do caso, o presidente Jair Bolsonaro determinou que o ministro da Justiça, Anderson Torres, fosse ao local e desse a Jefferson tratamento de bandido, pois “quem atira em polícia bandido é”.

Os senadores Radolfe e Eliziane, também pela Twitter, comemoraram a prisão do ex-parlamentar.

Eis a nota da Polícia Federal:

A Polícia Federal informa que concluiu na noite deste domingo (23/10) o cumprimento de decisão judicial expedida pelo Supremo Tribunal Federal, no município de Levy Gasparian, no estado do Rio de Janeiro.

A prisão foi cumprida após intensa negociação entre a Polícia Federal e o investigado, que ofereceu resistência inicial ao cumprimento da decisão judicial com o uso de arma de fogo e explosivos.

Durante a diligência, dois policiais federais ficaram feridos por estilhaços de granada lançada pelo alvo. Eles foram prontamente atendidos, tiveram ferimentos leves e seguem sendo acompanhados pela PF.

Além da prisão judicial, o investigado também foi preso em flagrante sob a acusação, inicial, de tentativa de homicídio, sem prejuízo de eventuais outros crimes cometidos durante a ação.

A perícia técnica criminal foi acionada e o local de crime já está sendo periciado, inclusive a residência do alvo. O preso foi conduzido à Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro para lavratura do auto de prisão em flagrante e demais formalidades decorrentes do cumprimento da ordem judicial.

A Polícia Federal reafirma que agiu com toda a técnica e protocolos exigidos para a resolução de crises, culminando com a rendição do preso.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui