Amoêdo reúne empresários e apresenta propostas para o Brasil

0
426

O pré-candidato à Presidência da República João Amoêdo esteve reunido na noite de terça-feira (19) com empresários de diversos segmentos num encontro, promovido pela Associação Comercial do Maranhão (ACM), Câmara de Dirigentes Lojistas de São Luís (CDL), Federação do Comércio (Fecomércio) e Federação das Indústrias  (Fiema),no Hotel Blue Tree Towers, em São Luís. O evento contou com a presença do ex-jogador e técnico de vôlei Bernardinho.

Amoêdo apresentou temas como a falta de segurança, de liberdade econômica, a estagnação da produtividade, o fim de privilégios políticos e o combate à corrupção. “Temos um Governo que dá auxílios para quem menos precisa, benefícios para quem menos merece e tributa quem mais trabalha”, destacou o pré-candidato.

Sobre as principais soluções para os problemas brasileiros, João Amoêdo enfatizou a urgência da mudança de cenário. “Precisamos de líderes que façam o diagnóstico correto, que não se utilizem do sistema atual e que tenham coragem de dizer a verdade”, completou.

Além disso, o pré-candidato apresentou planos de governo com destaque para a privatização das estatais, mais autonomia para estados e municípios, fim do foro privilegiado, integração entre Governo Federal, Estadual e Municipal, além de defender a diminuição dos impostos e mais oportunidades para empreender com menos burocracia.

Privatização – Após a palestra, João Amoêdo foi sabatinado pelos empresários. A primeira pergunta foi realizada pelo vice-presidente da ACM, Fabrízio Duailibe, que questionou sobre a privatização para a garantia de melhores serviços. “O sistema no Brasil é feito para não incentivar os pequenos produtores e temos que mudar isso. Eu não colocaria a privatização como o fim da corrupção, a privatização tem que ser feita para que no dia seguinte a gente tenha mais concorrência. O problema no nosso país é o elevado nível de corrupção que afeta a geração de riqueza”, respondeu o pré-candidato.

Para além desses assuntos, o vice-presidente da Federação do Comércio do Maranhão, Marcelino Ramos Araújo destacou que a crise no setor de transportes de cargas com a paralização dos caminhoneiros revelou uma deficiência grave e histórica do país, que é a falta de infraestrutura para o escoamento da produção de bens. Sobre isso, João Amoêdo explicou que esse problema demonstrou que “o Brasil precisa investir em outros sistemas de transporte, que a Petrobras pode se planejar para não fazer reajuste diário de combustível e que é necessário realizar uma mudança estrutural nesse sistema”.

O diretor da CDL São Luís, Marcelo Rezende destacou o espaço que o evento proporciona à classe empresarial para comparar os posicionamentos dos presidenciáveis e avaliar suas reais condições de conduzir o país, que precisa de políticas públicas efetivas para modificar a realidade que temos hoje. Nesse sentido, odiretor questionou sobre a corrupção e os caminhos para se ter um país mais justo para a população.

“As lideranças são o exemplo de como se deve atuar e é por isso que montamos o partido NOVO. Temos que ser coerentes com o que falamos e fazemos. Precisamos reduzir ministérios e colocar pessoas qualificadas para assumir esses cargos, assim como temos que simplificar tributos e abrir mercados”, analisou João Amoêdo.

O 1º Secretário da Fiema, Pedro Robson Holanda, destacou a importância de debater o Brasil, a economia e o desenvolvimento da indústria com um pré-candidato à presidência da República. “A indústria precisa saber o que os pré-candidatos estão pensando em relação à estruturação brasileira. As entidades realizadoras desse evento precisam conhecer as propostas de quem quer governar o país para que possam pensar no Maranhão, incluindo o estado em seus planos de governo”, enfatizou.

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação