Anistia Internacional cobra investigação do assassinato de vereadora no Rio

0
459

A organização não governamental Anistia Internacional pediu hoje (15) uma investigação imediata e rigorosa do assassinato da vereadora do Rio de Janeiro e defensora dos direitos humanos Marielle Franco, do PSOL.

A vereadora foi assassinada a tiros na noite desta quarta-feira (14), no centro do Rio de Janeiro. O motorista que conduzia o carro em que ela estava também foi morto pelos disparos.

“Marielle Franco é reconhecida por sua histórica luta por direitos humanos, especialmente em defesa dos direitos das mulheres negras e moradores de favelas e periferias e na denúncia da violência policial”, afirma a nota da Anistia Internacional. “Não podem restar dúvidas a respeito do contexto, motivação e autoria do assassinato de Marielle Franco”, continua a nota.

A organização feminista Articulação de Mulheres Brasileiras também se manifestou pedindo “imediata apuração dos fatos, verdade e justiça”.”Este crime brutal não calará a causa e o legado de Marielle. Transformaremos dor em luta, e seguiremos ecoando a denúncia da violência contra a população negra e pobre do país”.

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, lamentou o assassinato da vereadora em nota publicada em seu perfil no Twitter e disse estar acompanhando a investigação com as forças federais.

“Lamento profundamente esse ato de extrema covardia contra a vereadora Marielle Franco, uma mulher admirável, guerreira e atuante, de liderança inequívoca, que tanto lutou contra as desigualdades e violência da qual acabou sendo vítima”, disse. “Solidarizo-me com familiares e amigos, e acompanho, com as forças federais e integradas de Segurança, a apuração dos fatos para a punição dos autores desse crime hediondo que tanto nos entristece”.

O assassinato também causou indignação entre intelectuais e artistas. A cantora Elza Soares usou o Twitter para lamentar a morte de Marielle e se disse chocada e horrorizada: “Das poucas vezes que me falta a voz. Chocada. Horrorizada. Toda morte me mata um pouco. Dessa forma me mata mais. Mulher, negra, lésbica, ativista, defensora dos direitos humanos. Marielle Franco, sua voz ecoará em nós. Gritemos”.

A sambista Teresa Critina desejou conforto aos familiares da vereadora. “Que os familiares de Marielle Franco encontrem algum conforto diante de tamanha brutalidade”.

(Agência Brasil)

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação