Ao descartar renúncia, Maura diz que Bolsonaro pediu para ela ficar longe de Flávio e de Roseana

0
1149

Ao descartar nesta segunda-feira (24) qualquer possibilidade de renunciar sua candidatura ao Governo do Maranhão, a ex-prefeita de Lago da Pedra Maura Jorge (PSL), que concorre pela coligação Renovação de Verdade, disse que continuará na disputa porque tem compromisso também com a eleição de Jair Bolsonaro a presidente da República. O presidenciável, segundo ela, até hoje fez uma exigência: que ela se mantenha afastada de Flávio Dino (PCdoB) e de Roseana Sarney (MDB).

As insinuações sobre a renúncia foram levantadas após o início do julgamento no Tribunal de Justiça (TJ) de uma ação de improbidade administrativa de 2011 em que é acusada de promoção pessoal devido a uma peça publicitária quando era prefeita da Lago da Pedra. Até o momento foi deferido um voto, da desembargadora Cleonice Freire, que julgou improcedente a ação, mas está suspenso após o desembargador Jamil Gedeon pedir vistas.

Após o início do julgamento, que é um recurso da candidata após condenação pelo juiz Osmar Gomes, surgiram os boatos de renúncia da disputa.

“Não sei de quem partiu a ideia de resgatar tal julgamento em um período tão próximo do dia da eleição. Não posso deixar de pensar em perseguição política. Aí me questiono por qual motivo me querem fora da eleição já que eles [outros candidatos] consideram minha campanha tão pequena. O que sei, na verdade, é que não farei como Roberto Rocha, em 2002. Eu não renunciarei a minha candidatura”, afirmou Maura Jorge.

O julgamento da candidata do PSL deverá voltar a pauta na próxima semana. “Confio na Justiça até mesmo porque será um escândalo nacional se uma gestora for condenada por um ‘M’, que nada mais significa que os morros de Lago da Pedra representados em uma peça publicitária, cuja letra faz referência a melhoria da vida do cidadão”, disse.

Maura em recente evento ao lado de Jair Bolsonaro, que concorre a presidente

A candidata disse que esta não é a primeira vez que sofre com perseguição política. Na época do pedido de registro de candidatura, ela acabou sendo impugnada pelo ex-secretário de Flávio Dino Odair José. “Eles dizem que sou tão pequena, mas o governador colocou um laranja, o Odair José, para impugnar minha candidatura, mas não adiantou porque este fake que eles criaram não foi aceito pela Justiça Eleitoral”, declarou.

Presidenciável – Maura Jorge ao reafirmar sua candidatura, reafirmou ainda a sua relação com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Segundo ela, o candidato a presidente a escolheu para ser sua representante no Maranhão nas eleições de 2018.

“A única condição que ele me apresentou foi de minha candidatura não ter qualquer relação com Flávio Dino ou com a família Sarney. Mas principalmente com os comunistas. E por isso, por esta confiança de Bolsonaro na minha candidatura e pelo povo do Maranhão é que mantenho minha posição de disputar o governo do meu estado e com a certeza de que ganharemos a disputa”, disse Maura.

Críticas – Além de denunciar a perseguição política, a candidata do PSL voltou criticar seus adversários. Segundo ela, as gestões do passado e a atual levaram o Maranhão a ter mais de 50% da população abaixo da linha da pobreza.

 

As principais críticas foram em torno da Saúde, Educação e Infraestrutura. “Saúde não é só construção de hospitais, Educação não é só pintar escola. Precisamos de políticas de estado e não de partido, de grupos. Precisamos de políticas que possam cuidar das pessoas, dos maranhenses”, afirmou a candidata.

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação