Ao empossar ministro da Defesa, Bolsonaro diz que Brasil quer ordem, hierarquia e progresso

0
641
O presidente Jair Bolsonaro empossa o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, durante cerimônia de nomeação dos ministros de Estado, no Palácio do Planalto.

Ao participar da cerimônia, nesta quarta-feira (02), da transmissão de cargo do Ministério da Defesa, onde assumiu o general Fernando Azevedo, o presidente Jair Bolsonaro disse que os brasileiros querem ordem, hierarquia e progresso. Durante o discurso, Bolsonaro afirmou que sua gestão não haverá “ingerência político-partidária”.

“A situação que o Brasil chegou é uma prova inconteste de que o povo, em sua grande maioria, quer hierarquia, quer respeito, quer ordem e quer progresso. Nós queremos o bem para o Brasil. Mas, do que defender a Pátria, o que nós queremos é fazer essa Pátria grande, e só faremos se tivermos do nosso lado equipe onde todos conversam entre si, onde não há ingerência político-partidária, que lamentavelmente, como ocorreu nos últimos 20 anos, levou à ineficácia do Estado e nossa triste corrupção”, disse Bolsonaro na cerimônia de transmissão do cargo para o general de Exército Fernando Azevedo.

O presidente defendeu a atuação das Forças Armadas e relembrou momentos históricos que passou na corporação. O presidente citou que os ex-presidentes Fernando Collor de Mello, que estava na cerimônia, e José Sarney valorizaram as Forças Armadas com liberação de recursos. No entanto, “depois, outro governo esqueceu dos militares”.

Ministro da Defesa – O general foi empossado nesta quarta-feira (1º) pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e recebeu a chefia da pasta durante cerimônia nesta tarde (02), em Brasília. O novo ministro entra no lugar do general Joaquim Silva e Luna.

O futuro ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, chega ao CCBB em Brasília

Fernando Azevedo será o 12º ministro a comandar o Ministério da Defesa desde a criação da pasta, em 1999. O ministro nasceu no Rio de Janeiro e passou para a patente de general de Exército em 2014. Dentro da corporação, Azevedo comandou as operações do Exército na missão das Nações Unidas no Haiti.

Antes de ser convidado pelo presidente Bolsonaro para assumir o cargo, o novo ministro trabalhava como assessor especial do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

O novo ministro entra no lugar do general Joaquim Silva e Luna. Fernando Azevedo será o 12º ministro a comandar o Ministério da Defesa desde a criação da pasta, em 1999. O ministro nasceu no Rio de Janeiro e passou para a patente de general de Exército em 2014. Dentro da corporação, Azevedo comandou as operações do Exército na missão das Nações Unidas no Haiti.

Antes de ser convidado pelo presidente Bolsonaro para assumir o cargo, o novo ministro trabalhava como assessor especial do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

(Com dados da Agência Brasil)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação