Após três meses de queda, Índice de Consumo de Famílias reage em São Luís no mês de agosto

0
298

Levantamento da Fecomércio mostra que confiança do consumidor interrompe quedas e reage em agosto

Após três meses de quedas consecutivas (de maio a julho), o índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) de São Luís apresentou variação mensal positiva de 3,3% em agosto. Esse é o resultado que mostra o levantamento realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio).

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o indicador ainda apresenta uma desaceleração de 46,3%, refletindo os impactos da pandemia sobre o otimismo do consumidor local.

Dos sete subcomponentes que formam o índice, seis apresentaram recuperação na comparação mensal, com destaque para a avaliação do consumidor quanto à sua perspectiva profissional que cresceu 9,7% na passagem de julho para agosto. Esse resultado é influenciado pelo momento de reativação do mercado de trabalho no Maranhão.

De acordo com o Caged, somente no mês de julho o estado apresentou saldo de 4.919 novos postos de trabalho, sendo o segundo mês consecutivo de saldo positivo, já que em junho o Maranhão também registrou a criação de 3.862 novas vagas formais. Isso atenuou o tombo da extinção de -9.195 empregos nos meses de março, abril e maio, período de maior impacto da pandemia sobre a economia.

Trajetória – Apesar da inclinação mensal positiva na confiança do consumidor, o índice de intenção de consumo do mês de agosto ainda está situado na zona de pessimismo, marcando 49,3 pontos em uma escala que vai de 0 a 200 pontos. Dessa forma, a pesquisa aponta que essa trajetória de retomada da confiança do consumidor tenderá a ser longa até ultrapassar a barreira da indiferença aos 100 pontos e estar situada na zona de otimismo.

“Já começamos a atenuar os efeitos da pandemia sobre a economia. Se considerarmos os meses de março a julho, momento de maior incidência da pandemia, o saldo de empregos no Maranhão é de apenas 414 postos de trabalho formais eliminados. O desafio, agora, é atenuar os efeitos sobre o mercado informal, já que parte considerável da força de trabalho maranhense é formada por autônomos, informais, ambulantes e outros tipos de ocupação que estão fora dos postos de trabalho com carteira assinada”, avalia o presidente da Fecomércio, José Arteiro da Silva.

Em termos absolutos, os indicadores com pior resultado no índice de agosto são as avaliações do consumidor sobre o momento para aquisição de bens duráveis (25,1 pontos), sobre o nível de consumo atual (29,1 pontos) e sobre sua renda (43,9 pontos), subcomponentes que estão abaixo da média geral do ICF para o mês de agosto em São Luís.

Metodologia – A pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) é um indicador com capacidade de medir a avaliação que os consumidores fazem sobre aspectos importantes da condição de vida de sua família, tais como a sua capacidade de consumo, atual e de curto prazo, nível de renda doméstico, segurança no emprego e qualidade de consumo, presente e futuro.

Trata-se de um indicador antecedente do consumo, a partir do ponto de vista dos consumidores, tornando-o uma ferramenta poderosa para a própria política econômica, para as atividades produtivas, para consultorias e instituições financeiras.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação