Festas juninas são reconhecidas como manifestações da cultura nacional

0
538

As tradicionais festas juninas serão reconhecidas como manifestação da cultura nacional. É o que estabelece projeto aprovado nesta terça-feira (3), na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado.

Do deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE), o PL 943/2019 recebeu parecer favorável do relator, senador Prisco Bezerra (PDT-CE), e segue agora para análise do Plenário.

Segundo o relator, não há como negar a importância da festa junina, que mobiliza pessoas do sul ao norte do país, tendo no Nordeste sua maior dimensão. Além das celebrações de cunho religioso e cultural, como observou, as festas juninas movimentam a economia e o turismo das regiões.

“No Nordeste, as festas juninas ganharam um vigor e uma dimensão impressionantes. Isso pode ser atestado, por exemplo, na realização de portentosos festejos nas cidades de Campina Grande, na Paraíba, de Caruaru, em Pernambuco, e de Mossoró, no Rio Grande do Norte, que reúnem dezenas de milhares de pessoas a cada dia”, ressalta no relatório.

Origem – As festas juninas tiveram origem na Europa e eram vinculadas a celebrações pagãs, que marcavam o solstício de verão e a época da colheita. Ao longo do tempo foram cristianizadas e passaram a ser dedicadas à comemoração de três santos católicos muito populares: Santo Antônio (13 de junho), São João Batista (24 de junho) e São Pedro (29 de junho).

Ao serem transferidas para o Hemisfério Sul, o solstício mudou para o de inverno, mas isso não diminuiu a vibração e alegria das comemorações. Ao contrário, a fogueira, as quadrilhas e o brasileiríssimo quentão passaram a combinar com o clima mais frio. Diversas características nacionais, regionais e locais foram sendo incorporadas pelas festas juninas ao longo do território nacional, de modo que sua realização no sul do país é diferente da que ocorre na região amazônica.

As festas estão estreitamente relacionadas à cultura do campo, tanto pelo modo como as pessoas do interior a vivem, quanto pelo modo como os moradores das cidades maiores a desfrutam, como observa Prisco em seu relatório.

“Nas festas juninas do Nordeste, deve-se destacar, além da animação contagiante, o cultivo de preciosas tradições, como, por exemplo, a variada e deliciosa comida à base do milho. Mas, sobressaindo-se entre todas elas, está a música e a dança do forró, gênero musical que teve sua expressão maior com o eterno Luiz Gonzaga, um pernambucano que sempre esteve, ao longo de sua vida, muito próximo do Ceará”, acrescenta.

 (Agência Senado)

Compartilhe

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui