Ascensão do CSA para Série A do Brasileiro valoriza Campeonato Alagoano

0
678

MARIANA FRAGA

O Campeonato Alagoano, que começa neste domingo (20), terá oito clubes disputando o título. Para ficar por dentro de um dos principais estaduais do Nordeste, a Agência do Rádio Mais preparou um especial sobre a 88ª edição do torneio. Em 2019, o CSA busca o bicampeonato estadual, mas os rivais querem colocar água no chopp do Azulão.

Atual campeão do estado, o Centro Sportivo Alagoano (CSA) chega à competição com moral, já que 2018 foi um ano pra lá de especial para a torcida azulina. Na temporada passada, a equipe foi vice-campeã da Série B e voltará a disputar a elite do futebol nacional após 31 anos.

Time do coração de Marta, eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo, o CSA é o maior campeão alagoano com 38 títulos. Neste ano, o Azulão conta com 15 reforços, sendo oito remanescentes da campanha do acesso à Série A, além de atletas que subiram das categorias de base.

As principais caras novas são o zagueiro Gerson, de 26 anos, que veio do futebol polonês e já atuou pelo PSV e Atlético de Madrid. Para o setor ofensivo, o técnico Marcelo Cabo vai contar com o atacante Thiaguinho, de 21 anos, jovem criado nas divisões de base da Ponte Preta. Quem também chega cercado de expectativa é o atacante Matheus Sávio, que vem de empréstimo do Flamengo.

Outro reforço foi a manutenção do meia Didira, artilheiro do CSA em 2018 com 13 gols em 52 jogos. No time desde 2015, o atleta participou dos três acessos consecutivos até a sonhada vagada na Série A do Brasileirão. As principais baixas são as saídas dos atacantes Walter e Neto Berola, que fechou com o América Mineiro.

Maior rival do CSA, o CRB quer repetir a boa campanha de 2018. Finalista no ano passado, o Galo da Praia tenta, dessa vez, ser campeão. O Alvirrubro tem 30 títulos em sua história e foi quem mais levantou canecos na última década. De 2010 pra cá, o time esteve em sete finais e conquistou cinco vezes o Campeonato Alagoano (2012, 2013, 2015, 2016 e 2017). O clube possui também o maior artilheiro do torneio. Joãozinho Paulista, que vestiu a camisa alvirrubra nos anos 80, marcou 160 gols.

Para a temporada de 2019, o CRB, que jogará a Série B, conta até agora com 19 reforços. Para o ataque, acertou com um jogador conhecido do torcedor regatiano. O atacante Mailson, que estava jogando no Catar, volta a vestir a camisa do Alvirrubro. De acordo com o site Transfermarkt, o jogador tem valor de mercado estimado em 250 mil euros, cerca de R$ 1,5 milhão.

A chegada de Mailson tenta suprir a saída de Neto Baiano, que deixou o CRB após três temporadas. Nesse tempo, marcou 48 gols em 155 jogos e foi bicampeão estadual. Na temporada, porém, o centroavante de 36 anos perdeu espaço após a chegada do técnico Roberto Fernandes, que acertou sua permanência para 2019.

Apesar das 19 novas contratações, a equipe ainda está em busca de um meia, já que o elenco só tem um jogador de origem nesta posição: Felipe Menezes, com passagens por Goiás e Ceará.

Interior – Do interior de Alagoas, o ASA de Arapiraca tenta bater de frente com os times da capital. Com sete títulos estaduais, a equipe foi bicampeã em 2000 e 2001 e ainda faturou o Alagoano em 2005, 2009 e, o último deles, em 2011. Na última edição, o Fantasma das Alagoas foi eliminado pelo CSA nas semifinais, após vencer o primeiro jogo por 1 a 0 e perder a partida da volta por 2 a 1.

Para a temporada de 2019, o ASA conseguiu um patrocínio importante de Vanderlei Luxemburgo. O técnico cinco vezes campeão brasileiro, que tem investimentos no interior do estado, vai estampar a marca de dois de seus empreendimentos na camisa do clube no estadual.

Além de CSA, CRB e ASA, o Campeonato Alagoano também conta com a participação do Coruripe, Murici, Dimensão Saúde, CEO e Jacyobá.

A competição é dividida em três fases. Na primeira, cada time disputa sete partidas, e os quatro melhores avançam para as semifinais. Na semi, são dois jogos, de ida e volta. A equipe com melhor desempenho na primeira fase joga pelo empate. Na final, a fórmula é parecida: jogos de ida e volta. Em caso de empate na soma dos resultados, a decisão vai para os pênaltis. Não há gol qualificado como critério de desempate.

O campeão garante vaga para a Copa do Nordeste e Copa do Brasil. O vice e o terceiro lugar também se classificam para a Copa do Brasil. Na teoria, os finalistas têm vaga garantida na Série D, desde que os times não disputem divisões superiores. O último colocado da primeira fase é automaticamente rebaixado.

(Agência Rádio Mais)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação