Aumenta para 39% os que avaliam governo Jair Bolsonaro ótimo ou bom, segundo pesquisa XP

0
55

Este é o quinto levantamento consecutivo com oscilação ascendente do grupo dos que avaliam positivamente o governo, segundo a XP

Pesquisa XP/Ipespe, divulgada nesta segunda-feira pelo portal Infomoney, indica que o percentual dos brasileiros que avaliam o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) como ótimo ou bom aumentou para 39%. Já os que consideram o governo ruim ou péssimo caiu para 36%, ou seja, uma diferença de três pontos percentuais, o que está dentro da margem máxima de erro, que é de 3,2 para mais ou para menos.

A pesquisa foi realizada entre os dias 08 e 11 de setembro e esta foi a quinta rodada consecutiva que registra oscilação ascendente do grupo dos que avaliam positivamente o governo e descendente dos que classificam negativamente. Desde maio, Bolsonaro acumula uma recuperação de quatro pontos percentuais em seu nível ótimo ou bom. “Com isso, o presidente se aproxima de seu maior nível (40%), registrado nos dois primeiros meses de governo”, avalia o Infomoney.

Segundo a reportagem assinada por Marcos Mortari, os números mostram que, até o momento, a alta nos preços dos alimentos não se traduziu em perda de apoio ao governo. O assunto gerou, nos últimos dias, preocupação no Palácio do Planalto, e o presidente Jair Bolsonaro cobrou “patriotismo” a fornecedores e varejistas e chegou a pedir também que os donos de supermercado mantenham uma margem menor de lucro em produtos da cesta básica a fim de evitar a inflação.

Benefício – O levantamento mostra que 40% dos entrevistados já receberam o auxílio emergencial e 2% ainda acreditam que ainda serão beneficiados pelo programa, pago a trabalhadores informais e famílias da baixa renda, afetadas pela crise sanitária.

Entre os que receberam o benefício, 49% acreditam que, com a reabertura gradual da economia, sua renda voltará ao que era antes da pandemia. Outros 44% discordam. Considerando a redução do benefício para R$ 300, 43% dos beneficiários disseram que a renda familiar será menor.

Para que 47% dos eleitores, a decisão do presidente de prorrogar o auxílio emergencial até o fim do ano foi postiva, ainda que com uma redução no repasse, de R$ 600 para R$ 300. Para 24%, a decisão é regular, enquanto 25% consideraram negativa.

A pesquisa XP/Ipespe realizou 1.000 entrevistas telefônicas com eleitores de todas as regiões do Brasil, entre os dias 8 e 11 de setembro. A margem máxima de erro é de 3,2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

(Com informações do Infomoney)

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui