Banco do Nordeste alcança em 2020 um lucro líquido recorrente superior a R$ 1,4 bilhão

0
139

Investimentos somam mais de R$ 40 bilhões na região Nordeste

O Banco do Nordeste investiu, em 2020, o montante de R$ 40,07 bilhões, valor correspondente a 5,1 milhões de operações distribuídas em sua área de atuação, constituída pelos nove estados da Região e pelo Norte de Minas Gerais e do Espírito Santo. Mesmo em ano atípico, marcado pela crise sanitária mundial, o Banco alcançou lucro líquido recorrente de R$ 1,44 bilhão, superior em 12,8% ao resultado do exercício de 2019. No Maranhão, foram R$ 4,44 bilhões, distribuídos em 486.974 operações de crédito.

Do valor aplicado, destacam-se as contratações do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), que somaram R$ 25,84 bilhões, observando-se incremento de 25,7% na quantidade de operações em comparação com o ano anterior. Esse valor equivale a 711 mil operações. Somente nos setores Rural, Industrial, Agroindustrial, Turismo e de Comércio e Serviços, foram injetados R$ 19,08 bilhões. Projetos de infraestrutura totalizaram R$ 6,63 bilhões.

Dentro da preocupação com a sustentabilidade, o Banco totalizou inversões no Programa FNE Verde Pessoa Física, voltado para a microgeração de energia, no montante de R$ 112,9 milhões. Já o Programa de Financiamento Estudantil (Fies), também com recursos do FNE, somou R$ 11,7 milhões, permitindo estudantes ingressarem no ensino universitário.

Para o presidente do Banco, Romildo Rolim, “os resultados de 2020, considerando os desafios inéditos na história da Instituição, demonstram inequivocamente a importância do papel do Banco do Nordeste para a Região, na medida em que as políticas do Governo Federal sintetizam a preocupação com a manutenção dos empregos e com o bem-estar da população”.

FNE Emergencial – Ainda no enfrentamento dos desafios de 2020, o Banco destinou a empreendimentos da Região R$ 3 bilhões, por meio do FNE Emergencial, linha criada pelo Governo Federal para minimizar os efeitos da crise econômica gerada pela pandemia. Também lançou o FNE Saúde e criou o FNE Startup, primeira linha de crédito da América Latina para startups.

Além disso, promoveu a regularização de mais de R$ 3,00 bilhões de créditos, correspondentes a 160,9 mil operações. Assim, o Banco do Nordeste associou-se de forma efetiva ao esforço nacional de combate aos efeitos causados pela Covid-19, promovendo renegociação emergencial de dívidas, como forma de mitigar as dificuldades financeiras enfrentadas pelos empreendedores da Região. Para tanto, utilizou instrumentos digitais e automatizados, agilizando o processo de renegociação sem que os clientes precisassem ir às unidades do Banco.

Ressalte-se, ainda, que, do total dos recursos do Fundo aplicados na Região, 54,5%, correspondentes a R$ 14,08 bilhões, beneficiaram empreendimentos localizados no Semiárido, seguindo diretriz da Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR) de desconcentrar espacialmente os financiamentos do FNE.

MPE e microfinanças – Estratégico na atuação do Banco do Nordeste, o segmento de micro e pequenas empresas (MPE) registrou, em 2020, contratação recorde de R$ 4,61 bilhões, distribuídas em 49,4 mil operações de crédito, apresentando crescimento de 26,7% em relação ao exercício anterior.

Já nas microfinanças, o BNB manteve performance crescente, ao desembolsar, em 2020, valor total de R$ 15,02 bilhões, que correspondem a quase 5 milhões de operações. Desse total, R$ 12,11 bilhões foram contratados no âmbito do microcrédito urbano, por meio do Crediamigo, equivalendo a 4,4 milhões de operações de crédito.

A liderança do Banco na microfinança urbana, por meio do Crediamigo, maior programa de microcrédito da América do Sul, evidencia-se, também, na capacidade operacional de realizar média de 17,7 mil contratações ao dia, mantendo, ao final do exercício, 2,2 milhões de clientes ativos.

No âmbito do microcrédito rural, em 2020, o Banco do Nordeste contratou 564,8 mil financiamentos, no valor de R$ 2,91 bilhões, beneficiando agricultores familiares da Região e registrando crescimento de 15,5% comparativamente a 2019. Em 2020, o Agroamigo comemorou 15 anos de criação, com a marca de R$ 20 bilhões aplicados, contando, ao final do exercício, com 1,3 milhões de clientes ativos, dos quais 76,17% estão no Semiárido e 85% enquadram-se na faixa de baixa renda.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação