Congressistas dos Estados Unidos pedem destituição de Trump após invasão do Capitólio

0
53

Pelo menos quatro pessoas morreram durante os incidentes de violência, incluindo uma veterana da Força Aérea

O senador democrata Chuck Schumer e o deputado republicano Adam Kinzinger disseram nesta quinta-feira (7) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deveria ser destituído do cargo após os incidentes desta quarta-feira (06) em Washington.

“O que aconteceu ontem [06] no Capitólio foi uma insurreição contra os Estados Unidos, incitada pelo presidente. Este presidente não deve ocupar o cargo por mais um dia”, disse Schumer, segundo uma publicação no Twitter.

“Aqueles que realizaram hoje [ontem, 6 de janeiro] os atos reprováveis são arruaceiros, insurrecionistas, bandidos, terroristas domésticos. Eles não representam a América. São extremistas violentos que tentaram assumir o controle do Capitólio. Eles devem ser processados. Esta noite, no entanto, a democracia triunfará”.

Além disso, Schumer pediu a intervenção do vice-presidente Mike Pence, que irritou Trump na quarta-feira (06), ao reconhecer que não poderia anular sua derrota nas eleições na sessão do Congresso que acabou sendo interrompida depois que uma multidão de simpatizantes de Trump invadiu o recinto.

O senador, que representa o estado de Nova York e provavelmente será o líder da maioria democrata na próxima legislatura após a projeção de vitória de dois candidatos de seu partido nas eleições que ocorreram no último dia 5 na Geórgia para duas cadeiras na Câmara Alta, pediu que Pence invocasse a 25ª Emenda da Constituição, na qual o gabinete, por maioria de votos, pode remover um presidente por incapacidade.

A maneira mais rápida e eficaz de destituir esse presidente do cargo – e isso pode ser feito hoje [7] – seria o vice-presidente invocar imediatamente a 25ª Emenda […] Se o vice-presidente e o gabinete se recusarem a fazê-lo, o Congresso deve se reunir novamente para votar o impeachment do presidente”, disse o senador.

Quem também mencionou a invocação da 25ª Emenda foi o deputado republicano Adam Kinzinger, que representa o 16º distrito de Illinois. Nesta quinta-feira (07), ele pediu que o presidente Trump fosse destituído devido aos incidentes violentos que ocorreram ontem (6) no Capitólio.

“É com o coração pesado que estou pedindo, pelo bem de nossa democracia, que a 25ª Emenda seja invocada”, afirmou Kinzinger em um comunicado, no qual também sugere que o presidente sofre de doença mental e é psicologicamente incapaz de liderar o país.

“O presidente não está capacitado e o presidente não está bem”, disse o congressista. “É por esta razão que peço ao vice-presidente e aos membros do gabinete que garantam que as próximas semanas sejam seguras para o povo americano e que tenhamos um capitão são no navio”, acrescentou.

Policial imobiliza manifestante favorável a Donald Trump na frente da sede do Congresso dos EUA, Washington, 6 de janeiro de 2021
© REUTERS / SHANNON STAPLETON
Policial imobiliza manifestante favorável a Donald Trump na frente da sede do Congresso dos EUA, Washington, 6 de janeiro de 2021
Por sua vez, o chefe de Polícia do Capitólio (USCP, na sigla em inglês), Steven Sund, afirmou hoje (7) em uma nota que mais de 50 agentes de segurança ficaram feridos, e alguns deles tiveram que ser hospitalizados, após os distúrbios violentos provocados (06) pelos apoiadores de Trump em Washington
“Mais de 50 efetivos da USCP e da MPD [sigla em inglês de Departamento de Polícia Metropolitana] ficaram feridos durante o ataque ao Capitólio. Vários oficiais da USCP foram hospitalizados com ferimentos graves”, disse Sund.
Os apoiadores de Trump invadiram o edifício do Capitólio em Washington depois que o presidente fez um discurso para dezenas de milhares de simpatizantes nos arredores da Casa Branca.

Pelo menos quatro pessoas morreram durante os incidentes de violência, incluindo uma veterana da Força Aérea, que foi baleada dentro do Capitólio por um policial que foi suspenso, segundo Sund.

“De acordo com a política da USCP, o agente da USCP foi colocado em licença administrativa e seus poderes policiais estão suspensos à espera do resultado de uma investigação conjunta do Departamento de Polícia Metropolitana e da USCP”, acrescentou Sund.

Durante o seu discurso, Trump disse que jamais reconheceria os resultados das eleições e pediu a seus apoiadores que seguissem lutando para evitar que sejam “roubados”

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui