Corpo do sambista Almir Guineto sepultado neste domingo no Rio de Janeiro

0
552

O sambista Almir Guineto foi sepultado na tarde deste domingo (07) no Cemitério de Inhaúma, na zona norte da cidade do Rio de Janeiro. Ele morreu na tarde de sexta-feira (05) aos 70 anos, vítima de complicações decorrentes da diabetes.

O sambista ficou internado por dois meses no Hospital Clementino Fraga Filho, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Fundão, para se tratar de pneumonia e problemas renais crônicos.

Nascido e criado no Morro do Salgueiro, na Tijuca, na zona norte da cidade do Rio, Guineto foi um dos fundadores do Fundo de Quintal e também cavaquinista do grupo Os Originais do Samba, que tinha como cantor o humorista Mussum.

Além de cantor, Almir Guineto também era compositor e suas músicas foram gravadas por vários artistas. Entre seus maiores sucessos como compositor está Coisinha do Pai (em parceria com Jorge Aragão e Luiz Carlos). Em sua voz, ficaram famosas canções como Caxambu e Insensato Destino.

Fundador do grupo Fundo de Quintal, ele estava internado desde março para tratar de uma pneumonia e problemas renais crônicos, provocados pelo diabetes. O artista foi um dos grandes representantes do chamado samba “de raiz”.

Seu pai era violonista e integrava o grupo Fina Flor do Samba. A mãe, conhecida como Dona Fia, era costureira e uma das principais figuras de destaque da Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro.

Carreira – Nos anos 1970, Almir já era mestre de bateria e um dos diretores do Salgueiro e frequentador do Bloco Carnavalesco Cacique de Ramos. Nessa época inovou ao introduzir nos pagodes o banjo adaptado com um braço de cavaquinho.

Mais tarde, nos anos 1980, participou da fundação do grupo Fundo de Quintal, que saiu da formação de sambistas do Cacique de Ramos. Depois da gravação do disco Samba é no Fundo de Quintal, partiu para a carreira solo.

Como compositor também fez várias músicas de sucesso interpretadas por Beth Carvalho, Zeca Pagodinho, Jorge Aragão, entre outros.

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação