Deputada pede a comandante da Polícia Militar que identifique o “coordenador das eleições”

0
570

A menção sobre um “coordenador das eleições 2018” num ofício despachado pela Polícia Militar para tornar sem efeito o pedido de levantamento sobre políticos que poderiam criar embaraços na eleição deste ano, motivou a deputada Andrea Murad (PRP) a protocolar na Mesa Diretora da Assembleia Legislativa requerimento em que convoca o comandante-geral da Polícia Militar do Maranhão, Cel. Jorge Luongo, a prestar depoimento. Além deste, o Cel. Zózimo Paulino da Silva Neto, comandante do Policiamento do Interior (CPI).

O objetivo do depoimento é para que identifiquem o “coordenador das eleições 2018”, citado no Memorando do CPI como “ordenador do levantamento para espionar adversários do governador”.

O documento, assinado pelo coronel Zózimo Paulino da Silva Neto, diz: “para desconsiderar a solicitação contida no documento, sobre a coleta de dados eleitorais, junto aos órgãos competentes, que estão diretamente relacionados ao assunto, solicitados pelo Coordenador das Eleições 2018”.

Em discurso na sessão plenária desta quinta-feira (26), Andrea criticou a coletiva do secretário Jefferson Portela e cobrou explicações sobre a identidade do coordenador. “Mais uma vez, o secretário Jefferson Portela não trouxe nenhuma explicação, a não ser continuar culpando os outros pelos atos criminosos que praticou, que colocou a PM a espionar a oposição, os adversários políticos do governador”.

Coronel Jorge Luongo é convocado a prestar depoimento aos deputados

A deputada reiterou: “O memorando afirma que o levantamento da PM foi solicitado pelo coordenador das eleições de 2018. Eu queria que o líder do governo respondesse quem é esse coordenador. A ordem não havia partido dos comandantes dos CPAs, dos dois pobres coitados dos PMs?”.

No Requerimento, a deputada pede que os comandantes identifiquem nome, patente, função e o número da portaria publicada, conforme exigido nesses casos. Para a parlamentar, “a ordem do coordenador desmente a versão do secretário Jefferson Portela e da PM, de que a iniciativa teria partido dos policiais dos comandos do interior”.

“Quero que o governador (Flávio Dino) e o secretário (Jefferson Portela) comentem esse fato. A prova está no Memorando assinado pelo coronel Zózimo, em 20 de abril, quando resolveram emitir esse documento desfazendo a ordem do levantamento eleitoral e dizendo que a ordem partiu de um tal coordenador das eleições 2018”, finalizou.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação