Deputados e senadores lamentam morte de Alfredo Sirkis, fundador do Partido Verde

0
58
Alfredo Sirkis era ativista ambiental e atual diretor do Centro Brasil no Clima (Antônio Augusto/ Agência Câmara)

Deputados lamentaram, por meio de suas redes sociais, a morte do ativista ambiental e ex-deputado federal Alfredo Sirkis, vítima de acidente de carro ocorrido nesta sexta-feira (10), em trecho da rodovia BR-493 na região da Baixada Fluminense (RJ). Sirkis era jornalista e escritor e tinha 69 anos.

“Muito triste a notícia da morte tão abrupta do ex-deputado Alfredo Sirkis. O Brasil perdeu, sem dúvida, um dos seus grandes ativistas na luta pela preservação do meio ambiente. Em nome da Câmara dos Deputados, registro nosso profundo sentimento de pesar aos familiares e amigos”, disse o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em publicação no Twitter.

Integrantes da Frente Parlamentar Ambientalista também lamentaram a perda. “Estou desolado. Perdemos um ícone do ambientalismo brasileiro. Político, jornalista, roteirista e escritor. Alfredo Sirkis tinha uma mente visionária, um dos pioneiros na luta pela preservação da nossa biodiversidade”, disse o coordenador da frente, deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP).

“Voz ativa contra o regime militar. Tive o privilégio de acompanhar de perto sua trajetória. Fará uma falta enorme. Meus sinceros sentimentos aos familiares e amigos”, declarou Agostinho, em seu perfil no Twitter.

Também integrante da Frente Parlamentar Ambientalista, o deputado Nilto Tatto (PT-SP), disse que a luta socioambiental sofre uma perda com a morte de Sirkis.

O deputado Professor Israel (PV-DF) afirmou que “em tempos de ataques atrozes ao meio ambiente, Sirkis fará falta”. “Hoje a pauta ambientalista perdeu um dos seus maiores expoentes. Alfredo Sirkis, jornalista e político, foi fundador do Partido Verde”, destacou.

Já a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) ressaltou a atuação conjunta com o ex-parlamentar: “[Sirkis] foi meu colega na Câmara e de diferentes lutas políticas no Rio. Cruzávamos ideias, um defensor ferrenho do meio ambiente. Minha total solidariedade à família e aos seus amigos”, declarou.

O deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ) afirmou que hoje é um “dia triste para quem luta pela democracia e pelo meio ambiente”. “Perdemos o jornalista, escritor e ativista Alfredo Sirkis. Minha solidariedade à família e aos amigos. Vá em paz, Sirkis. Você fará muita falta ao Brasil.”

O líder do PSB, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), ressaltou a importância de Sirkis não apenas na pauta ambiental, mas também no jornalismo e na literatura. “Que tragédia! Sirkis deu uma contribuição imensa pra boa política, pro meio ambiente, pro jornalismo e pra literatura. Uma grande perda!”, afirmou.

Sirkis foi deputado federal entre 2011 e 2015, eleito pelo PV e posteriormente se filiando ao PSB, partido do qual foi vice-líder. Entre 2016 e de 2019, foi coordenador-executivo do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima (FBMC) e, atualmente, era diretor-executivo do Centro Brasil no Clima.

Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC) realiza audiência pública interativa para debater a implementação do Acordo de Paris no Brasil e no mundo diante das últimas medidas adotadas pelos governos nacionais, como a
O ex-deputado e ambientalista faleceu nesta sexta-feira, em um acidente de carro (Roque Sá/Agência Senado)

Senado – Senadores também lamentaram a morte de Sirkis. O presidente da Comissão de Meio Ambiente do Senado, Fabiano Contarato (Rede-ES), lembrou o espírito de luta do ex-parlamentar.

“Que o seu espírito de luta pelo bem coletivo, contra a ditadura e a favor de um meio ambiente ecologicamente equilibrado nos iluminem sempre”, desejou Contarato.

Já o líder da Minoria no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), contou que o livro de Sirkis, Os Carbonários, foi fonte de inspiração para que ele exercesse sua militância política. Pelo livro, Sirkis recebeu o Prêmio Jabuti de 1981.

“É doloroso demais perder tão grande nome, que tanto contribuiu para o país. O ambientalismo fica de luto. Aos amigos, familiares e companheiros do Partido Verde, meus sentimentos”, declarou Randolfe.

Para a senadora Leila Barros (PSB-DF), foi grande a perda sofrida pelos militantes da preservação ambiental. “É uma triste notícia para quem luta pela preservação ambiental. Pioneiro neste tema, Sirkis foi um expoente no debate sobre a construção de um novo modelo de desenvolvimento. Que Deus conforte seus amigos e familiares”, disse Leila.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) também lamentou a morte do ambientalista e prestou solidariedade aos seus familiares.

Trajetória – Ligado à causa ambientalista, Sirkis foi fundador do Partido Verde em 1986. Também era jornalista e escritor, e ganhou o Prêmio Jabuti de 1981 pelo livro “Os Carbonários”, que relata sua participação, entre outubro de 1967 e maio de 1971, na resistência estudantil e de guerrilha urbana contra o regime militar no Brasil.

Em 1971, Sirkis saiu do Brasil para viver em exílio no Chile, na Argentina e em Portugal; e retornou ao País em 1979, com a Lei da Anistia.

Na década de 1990, foi vereador e secretário municipal de Urbanismo e de Meio Ambiente no Rio de Janeiro. Também foi presidente nacional do PV em 1991 e candidato do partido a presidente da República nas eleições de 1998.

(Das agências Câmara e Senado)

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação