Em reunião com Alckmin, setor de transportes protesta contra a taxação dos pneus

60
Fábrica de pneus em Qingdao, China 24/02/2020 China Daily via REUTERS

Impacto no frete pode afetar toda a economia

Ante a possibilidade da extensão do escopo de medidas antidumping para rodas, pneus e válvulas importados, que aumentaria os custos dos transportes rodoviários, entidades de classe do setor, empresas, transportadoras e caminhoneiros conversaram sobre a questão com o vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin. A preocupação refere-se ao impacto de um eventual aumento de tributos nos fretes e, portanto, em toda a economia.

Participaram do encontro, em Brasília, dia 10 último, representantes da Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (ANFIR), da XBRI Pneus, da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Cargas (ASBRAT) e da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de Santa Catarina (FETRANSESC), além de líderes de transportadoras e caminhoneiros autônomos.

O objetivo principal da reunião foi alinhar e defender os interesses compartilhados das empresas, entidades e profissionais do setor de transporte.

“Nosso pleito é claro e urgente: não podemos permitir o aumento de tributos sobre os pneus, que são o segundo maior custo do transporte brasileiro, perdendo apenas para o óleo diesel. Uma taxação maior afetaria profundamente o setor de transporte rodoviário, impactando diretamente no seu custo, na tabela de frete e gerando consequente pressão inflacionária em todos os produtos transportados”, ressalta Samer Nasser, diretor de Marketing da XBRI PNEUS, marca brasileira de pneus que faz parte de uma das maiores empresas da América Latina nesse segmento.

Empresários de transportes com Geraldo Alckmin (Chico Ferreira/Liderança do PSB Câmara)

Além disso, segundo o executivo, a extensão do escopo de medidas antidumping para rodas, pneus e válvulas resultaria em aumento de 15% no custo dos implementos rodoviários. Causaria, também, insegurança jurídica, com possíveis multas retroativas, penalizando os fabricantes de implementos.

“É essencial que o governo ouça e atenda ao pedido do setor para impulsionar a competitividade e promover o desenvolvimento econômico do Brasil, que tem o segundo maior mercado de pneus de carga do mundo”. frisou.

No encontro, os participantes também reforçaram a importância do envolvimento do Governo Federal na formulação de políticas públicas que atendam às necessidades e demandas dos diversos segmentos do transporte rodoviário. A parceria entre o poder público e a iniciativa privada mostra-se essencial para superar os desafios e possibilitar o aproveitamento das oportunidades de crescimento que se apresentam.

“Demos um passo significativo na busca por soluções conjuntas e efetivas para os desafios que estamos enfrentando, mas ainda há muito o que avançar. Com a união de esforços e o comprometimento de todas as partes envolvidas, é possível construir um futuro mais promissor e economicamente sustentável”, conclui Samer Nasser.
 

(Fotos: Crédito fotográfico: Chico Ferreira/Lid. PSB Câmara)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui