Entidades que representam emissoras de rádio de TV repudiam ameaça à Jovem Pan pela CPI

0
186

Senadores querem punir emissora pela sua linha editorial 

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado pode votar nesta terça-feira (03) a quebra de sigilo bancário da Rádio Jovem Pan. O pedido, apresentado pelos senadores Renan Calheiros (MDB-AL), relator, e Humberto Costa (PT-PE), pede levantamentos de movimentação financeira da emissora desde 2018.

Entidades que representam as emissoras de rádio e TV repudiam a tentativa de intimidação com esse tipo de invasão das privacidade das empresas.

“Qualquer tentativa de intimidação ao trabalho da imprensa é uma afronta à liberdade de expressão, direito garantido pela Constituição”, afirma em nota a Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).

“Tal iniciativa não aponta qualquer dado ou informação concreta que justifique a adoção de medida extrema contra uma emissora que está no ar há quase 80 anos, cumprindo o papel de informar a população sobre fatos de interesse pública”, diz ainda a nota da Abert.

A Federação Nacional das Empresas de Rádio e Televisão (FENAERT) também emitiu nota de repúdio sobre o pedido de quebra de sigilo bancário de veículos de comunicação.

Além da Jovem Pan, também são alvos de pedidos do mesmo teor Raul Nascimento dos Santos (Conexão Política), Tarsis de Souza Gomes (Renova Mídia), José Pinheiro Tolentino (Jornal da Cidade Online), Paulo de Oliveira Eneas (Crítica Nacional), além das empresas LHT HIGGS LTDA, ligada à produtora Brasil Paralelo, e Farol Produções Artísticas LTDA (Senso Incomum).

Eis a nota da Fenaerte:

Nota de repúdio

A Federação Nacional das Empresas de Rádio e Televisão – FENAERT, se une à Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT) e repudia, de forma veemente, o pedido de quebra de sigilo bancário da Rádio Jovem Pan, feito por integrantes da CPI da Pandemia na última sexta-feira (30), sob a alegação de que a emissora estaria difundindo notícias falsas em meio à pandemia de Covid-19.

A Fenaert se solidariza com a Jovem Pan que, em seus quase 80 anos de história, se tornou e continua sendo uma referência ao público brasileiro com seu jornalismo independente e de qualidade, cumprindo o seu dever de informar fatos que sejam importantes e de interesse público. Tal iniciativa, da quebra de sigilo bancário, partindo dos senadores da CPI da Pandemia, não tem embasamentos concretos que possam ser justificados de forma alguma.

A CPI tem como objetivo apontar as falhas e eventuais omissões do governo federal no combate à pandemia do coronavírus no país e qualquer ameaça ao trabalho dos veículos de imprensa não será tolerada, pois trata-se de uma afronta a um dos principais direitos garantidos pela Constituição Federal, que é a liberdade de expressão.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação