Estados Unidos não receberam pedido formal de extradição de Bolsonaro, afirma a Casa Branca

68
Bolsonaro viajou para os Estados Unidos após o pronunciamento nas redes sociais

Bolsonaro tem visto válido de turista para ingressar nos país

Os Estados Unidos não receberam nenhum pedido oficial para extradição do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro (PL-RJ), mas, se houver, a Casa Branca analisará com cuidado. A informação é da secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, nesta quarta-feira (11).

“Não tenho conhecimento de um pedido oficial de informação ou extradição do governo brasileiro, embora, é claro, se recebermos um, o tratemos com seriedade e o examinemos com cuidado, como geralmente fazemos para tais pedidos”, disse Jean-Pierre.

Bolsonaro, que foi internado com dores abdominais na Flórida na segunda-feira (08), deixou o hospital no dia seguinte (09), e disse que planeja voltar para casa mais cedo, pois os médicos brasileiros tiveram uma perspectiva melhor de sua condição.

Isso ocorreu logo depois que o senador brasileiro Renan Calheiros (MDB-AL) anunciou que enviaria um pedido ao juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, Alexandre de Moraes, para buscar a extradição imediata de Bolsonaro dos EUA.

Segundo o senador, o ex-chefe de Estado é o responsável por incitar os atos de vandalismo no Brasil no último domingo (08).

Além disso, o vice procurador-geral do Ministério Público do Tribunal de Contas da União (TCU) Lucas Rocha Furtado, pediu a um tribunal para congelar os bens de Bolsonaro.

Bolsonaro perdeu a eleição presidencial no Brasil em outubro e partiu para os Estados Unidos em 30 de dezembro, um dia antes do término de seu mandato, evitando assim a posse de seu sucessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

Os apoiadores de Bolsonaro, protestando contra os resultados das eleições desde o resultado, intensificaram seus protestos na semana passada e invadiram vários prédios do governo no domingo (08).

A polícia recuperou o controle dos prédios à noite. Até agora, 670 pessoas foram presas. Outras 599 foram liberadas por serem idosas ou por estarem acompanhadas de crianças.

(Agência Sputnik)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui