ETFs são alternativas de investimentos para entrar na renda variável

0
149

Investimento é atrativo para investidores e iniciantes

Embora sejam mais conhecidas, as ações não são os únicos tipos de investimento em renda variável. Há muitos ativos que são negociados na Bolsa de Valores e alguns deles vêm atraindo o interesse dos investidores brasileiros, como é o caso dos Exchange Traded Funds (ETFs) ou fundos de índices.

Esse tipo de investimento tem características próprias que o torna atrativo tanto para investidores mais experientes quanto para aqueles que desejam começar a investir em renda variável.

O fundo de índice funciona como uma espécie de cesta de ativos, o que contribui para a diversificação da carteira do investidor. “É como se fosse uma caixinha em que você colocasse várias empresas lá dentro”, compara o especialista em educação financeira da Genial Investimentos, Jurandir Sell. “Como você diversifica, não precisa se preocupar se comprou um ativo de uma única empresa e ela não deu certo.”

O rendimento do ETF é atrelado ao índice em questão e o aporte inicial não costuma ser alto. Outra vantagem é a alta liquidez: o resgate do dinheiro pode ser feito um dia após o pedido.

Além disso, um fundo desse tipo possui uma gestão profissional, o que dá mais tranquilidade para quem opta pelo investimento. “A taxa de administração é boa e é a classe de ativos que mais vem crescendo”, avalia Jurandir.

Em outros países, os ETFs já são bastante conhecidos. No Brasil, a oferta e a demanda estão em expansão. Na B3 são oferecidas 45 opções e mais de 400 mil brasileiros já investem nos fundos de índice.

Como começar a investir em ETFs

Assim como qualquer investimento, os ETFs exigem que o investidor esteja bem informado. Por isso, é importante conhecer as opções disponíveis no mercado: saber qual é a composição do fundo, a qual índice ele está atrelado, qual é a taxa de administração e as demais características.

Feita a pesquisa sobre os ETFs, o investidor deve analisar qual fundo é mais compatível com o seu perfil, o seu objetivo e os recursos disponíveis. A partir desse estudo, a definição será mais assertiva.

Posteriormente, será iniciada a etapa prática. Para começar a investir, é necessário ter uma conta em uma corretora. Como os ETFs são negociados na Bolsa de Valores, é exigida essa intermediação. A compra da cota ocorre pela internet, por meio do home broker.

ETFs de renda fixa ou renda variável?

Como os ETFs funcionam como uma cesta de ativos, sua composição pode incluir títulos de renda fixa, o que na prática significa que irá replicar índices dessa classe de investimento.

Na B3, entre os ETFs de renda fixa estão listados o IRFM11, que é atrelado ao índice IRF-M P2; o IMAB11, o IMBB11 e o B5MB11, referenciados ao IMA-B.

Por outro lado, há também os ETFs compostos por ativos de renda variável como o BOVA11, o BOVV11, o BVV11, o XBOV11 e o BBOV11, que acompanham o Ibovespa B3.

Diante do crescimento da oferta e da demanda, a orientação dos especialistas aos investidores é pesquisar. No site da B3, há informações sobre cada um dos ETFs. As corretoras também oferecem suporte sobre os investimentos.

(Imagens gesrey/Freepik)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui