Flávio Dino reduz público em supermercados e antecipa fim do expediente na construção civil

0
928

Medidas visam a diminuir riscos de colapso na rede pública

AQUILES EMIR

O governador Flávio Dino anunciou nesta sexta-feira (19) a volta do funcionamento restritivo nos supermercados, nos municípios da Ilha (São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa), onde passam a atender apenas uma pessoa por compra e com ocupação máxima, por loja, de 50% da sua capacidade. Outra medida é a antecipação do expediente das empresas de Construção Civil para às 16h a fim de escalonar a ocupação dos serviços de transporte público.

Ainda como medida para diminuir a circulação de pessoas nas ruas das cidades, o governador decretou a antecipação do feriado de 28 de julho (Dia da Adesão do Maranhão à Independência) para a próxima sexta-feira (26 de março). Haverá ainda suspensão das cirurgias eletivas, de modo a abrir vagas de leitos nos hospitais para pacientes de covid-19.

Além dos supermercados, que devem limitar também os espaços em seus estacionamentos, também ficam capacidade limitada as academias de ginásticas. Nos demais setores econômicos, mantêm-se as regras baixadas há oito dias, que são abertura de lojas (de rua e shopping centers) somente a partir das 09h e encerramento às 21h (com exceção para padarias, feiras, supermercados, postos de gasolina, farmácias e outros estabelecimentos de setores essenciais, que podem abrir mais cedo ou funcionar em tempo integral).

Sobre a antecipação do encerramento do expediente nos canteiros de obras, o governador está convencido de que a ida dos operários da construção civil mais cedo para casa, isto fará com que haja menos pessoas no final do dia nas paras e no interior dos ônibus.

Por essas medidas, restaurantes, bares e lanchonetes continuam proibidas de atender clientes presencialmente, ou seja, somente serviço de tele entrega ou retirada no local, pelo consumidor.

Para o governador, essas medidas tornam-se necessárias porque é grande o risco de colapso na rede hospitalar. Embora tenha alertado para o risco de um desabastecimento de medicamento utilizados em intubação de pacientes de covid-19, tranquilizou a população, afirmando que não há possibilidade desta falta ocorrer nos próximos dias, apenas se houver atraso na entrega dos medicamentos.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação