Gleisi e Paulo Pimenta classificam de ilegal nova sentença contra Lula

0
566

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (06), o líder do PT na Câmara,  Paulo Pimenta (PT-RS), afirmou que a condenação do ex-presidente Lula é “uma sentença ilegal que contraria toda a jurisprudência do direito criminal e penal brasileiro. É uma sentença que não se baseia em provas”. Conforme o líder, o processo é “totalmente viciado, contaminado por uma conduta ideológica de um grupo de procuradores [da Lava Jato]”.

Paulo Pimenta explicou que já existem decisões de tribunais superiores que demonstram não existir previsão na legislação brasileira, de que alguém seja condenado somente baseado na palavra de delatores.  O líder disse que a sentença, além de frágil, apresenta uma situação sui generis. A juíza substituta Gabriela Hardt baseou a sua sentença na palavra de dois delatores Léo Pinheiro e José Aldemário Pinheiro. “Acontece que “Léo Pinheiro é o apelido de Aldemário. É a mesma pessoa!”, espantou-se Pimenta, ao criticar a fragilidade da decisão judicial.

A presidenta do PT, deputada  Gleisi Hoffmann (PT-PR), questionou como “uma juíza séria, um magistrado sério, tem cuidado com o processo? O que estamos vendo aqui é que não há seriedade em relação aos processos do presidente Lula. O que se quer é condenar Lula para que ele não saia da cadeia. Lula está sendo praticamente indicado, e tem já um abaixo-assinado robusto para ser o nosso Prêmio Nobel da Paz. E tem grande possibilidade de ser.”

“Toda vez que vamos ter um desagravo ao Lula [indicação ao Nobel] temos uma ação orquestrada de parte dojudiciário brasileiro, um judiciário que atua na política, um judiciário que persegue, porque se quisessem de fato combater a corrupção nesse País não virariam os canhões apenas para Lula, investigariam denúncias pesadas como a da família do Bolsonaro e investigariam Flávio Bolsonaro, se tivessem coragem. Mas não há coragem por este setor do judiciário, nem seriedade na condução do trabalho”, detalhou Gleisi.

Gleisi também reclamou: “Ficamos nos perguntando porque tanta maldade com o presidente Lula, e por que as sentenças contra o Lula são todas a jato, são rápidas, e não se tem a preocupação de fazer investigação profunda dos fatos, e somente a palavra de delator serve?”, indagou.

Revisão – Paulo Pimenta tem certeza que a decisão da juíza será revisada nos tribunais superiores. O líder afirma que a juíza e Moro fazem luta política através dos tribunais, pois não há nada que possa justificar essa condenação. “No momento em que cresce no mundo a campanha para que Lula seja agraciado com o Prêmio Nobel da Paz, nós temos essa ação política [da juíza Lebbos]”, critica o parlamentar.

Pimenta também citou a postura do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), que interrompeu em plenário o discurso do deputado  Henrique Fontana (PT-RS), para festejar a segunda condenação de Lula.

“Ele [Eduardo Bolsonaro] representa a escória da política brasileira. Representa o cinismo, a hipocrisia, pois ao mesmo tempo que ele vem ao plenário festejar uma sentença contra alguém que não existe prova, ele é capaz de defender a inocência do irmão [Flávio Bolsonaro] que é senador, e que teve nomeado em seu gabinete, familiares de um miliciano, assassino, ao que tudo indica, um matador da vereadora Marielle Franco”, rebateu.

O líder do PT prosseguiu dizendo que “um miliciano que teve seus familiares nomeados no gabinete do irmão [Flávio Bolsonaro], que recebeu dinheiro na conta do Queiroz [Fabricio, ex-assessor de Flávio Bolsonaro], e acha que o Flávio Bolsonaro é um garoto que tenha cometido apenas um deslize. Isso mostra a moral seletiva, o cinismo, a hipocrisia desse grupo político do qual faz parte o juiz Sérgio Moro e a juíza que o substituiu”.

(Com informações da Agência PT)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação